Em meio à crise, inflação sobe em todo o país

Com alta da inflação, trabalhadores estão enfrentando dificuldades para sobreviver com salários cada vez mais baixos. Foto: Reuters

Com alta generalizada de produtos por todo o país, o indicador oficial da inflação superou os 4% em 12 meses, chegando a mais de 6% em certos locais. Segundo dados divulgados em 8 de dezembro pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE),  a taxa de novembro do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi de 0,89%,  a maior para o mês em comparação aos últimos 5 anos. No momento, o índice soma 3,13% no ano e 4,31% em 12 meses. Já o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) ultrapassou os 5%, alcançando a taxa de 5,20%.

Dentre os nove grupos de itens que compõem o IPCA, sete tiveram elevação em novembro, contribuindo para a inflação. Com destaque para o grupo de Alimentação e Bebidas, que teve alta de 2,54% e impacto de 0,53 ponto percentual na taxa geral e Transportes que subiu 1,33%, o equivalente a 0,26 ponto percentual. De acordo com o IBGE, os dois grupos somados correspondem a 89% do IPCA de novembro.

No grupo Alimentação e Bebidas, as carnes e a batata inglesa, que em outubro já haviam subido 4,25% e 17,01%, tiveram alta de 6,54%  e 29,65%, respectivamente. Também sofreram alta outros alimentos básicos como o tomate (18,45%), arroz (6,28%) e óleo de soja (9,24%).

Comer fora de casa também ficou mais caro no mês de novembro, de 0,36% em outubro para 0,57%. A refeição aumentou 0,70% em média. Outras altas registradas foram do refrigerante e da água mineral (1,05%).

No grupo Transportes, a gasolina teve alta pelo sexto mês consecutivo. Dessa vez, subiu 1,64% , o equivalente a 0,08 ponto percentual. O preço do etanol também registrou alta de 9,23% (0,06 ponto porcentual), assim como automóveis novos (1,05%) e usados (1,25%). 

Em Habitação o aumento foi de 0,44% com impacto em itens como aluguel residencial (0,44%) e gás de botijão (1,37%). Cada um correspondeu a 0,02 ponto percentual no índice do mês. Gás encanado, água e esgoto também sofreram alta de 1,57% e 0,32%, respectivamente.

Segundo o IBGE, todas as áreas pesquisadas apresentaram alta no mês de novembro. Tendo sido a maior apurada no município de Goiânia (1,31%) e a menor em Brasília (0,35%). Em 12 meses, o IPCA ultrapassou 6%, atingindo 6,65% em Campo Grande. Na região metropolitana de São Paulo soma 4,24%.

O INPC registrou alta de 0,95%, sendo considerado também o maior resultado para o mês de novembro em comparação aos últimos 5 anos. O índice está acumulado em 3,93% no ano e em 5,20% em 12 meses.

Ainda segundo o IBGE, os produtos alimentícios subiram 2,65%, enquanto os não alimentícios registraram alta de 0,42%.

A fome e o latifúndio

A carestia de vida, expressa na alta inflação, aterroriza milhões de famílias com a fome.

Com uma renda baixa e preços subindo cada vez mais, cresce o número de pessoas que passam fome. É o que aponta a organização ActionAid, que estuda a relação entre desigualdade social e crescimento da extrema pobreza.

A partir do acompanhamento dos dados relativos à fome no país, a organização denuncia que até o final de 2020, serão mais de 15 milhões os que passam fome. Confirmado este cenário, o Brasil passará para o “Mapa da Fome”, lista que inclui aqueles países em que mais de 5% da população passa fome.

Em 2017, segundo o IBGE, mais de 10 milhões de brasileiros vivem em situação de “insegurança alimentar”. Por trás do conceito que busca mascarar a realidade, o que se passa é a fome, e ela ocorre em maior grau nas regiões Norte e Nordeste: apenas 43% dos domicílios do Norte e 49,7% dos lares do Nordeste tinham acesso pleno e regular aos alimentos.

O latifúndio (que concentra parte considerável de suas forças nas duas regiões citadas) segue sendo o setor ‘produtivo’ que mais lucra no atual cenário de pandemia. Isto se dá pela atuação de exportação de commodities para China, USA e alguns países da Europa. 

Enquanto isto, os camponeses pobres, responsáveis pela maior parte da produção dos alimentos, seguem sem fomento econômico, enfrentando também perseguições e assassinatos.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin