Marreta/STIC-BH: Vacina para o povo, Já!

Foto: Banco de dados AND

Posicionamento do STIC-BH, frente a pandemia da COVID-19, convoca os trabalhadores que foram colocados como essenciais à lutarem pela vacinação do povo e a testagem em massa. Pois se são esses colocados no olho do furacão, para manter uma sobrevida a essa economia de exploradores, que visam unicamente o alto lucro, não importando como.


Para a imensa maioria de brasileiros pobres a situação é dramática. Exasperados os trabalhadores e o povo em geral sofrem os efeitos da Pandemia da COVID-19. São mais de 8 milhões de brasileiros infectados e mais de 200 mil mortos.

O que está em curso, é um verdadeiro genocídio patrocinado por este governo dos generais/Bolsonaro e todos os outros governos de turnos, com raríssimas exceções.

Os empregos não foram garantidos, muito menos os salários. Já são quase 90 milhões de brasileiros desempregados ou subempregados!

O auxílio emergencial, miserável, foi uma vez mais usado para fins eleitorais e não está nem previsto para este ano.

Hospitais de campanha foram fechados, muitos sem terem sido inaugurados como em Belo Horizonte. Sem contar a roubalheira que foi praticada na compra de equipamentos hospitalares. Neste país não se compra nem uma agulha sem que se tenha que pagar propina (vide o caso da falta das seringas e agulhas).

Mais de 16 milhões de testes se perdiam guardados pelo governo. Tiveram que revalidar sabe-se lá como. E enquanto isso, O BRASIL É O PAÍS QUE MENOS TESTA NO MUNDO, ao mesmo tempo em que farmácias e laboratórios enchem a burra de dinheiro vendendo testes que variam de 100 a 400 reais. Como pode um teste custar mais que um terço do salário mínimo?

Sendo o transporte público o principal vetor de contaminação e aglomeração dos trabalhadores e do povo pobre em geral, nenhuma providência foi tomada pelos governos no sentido de acabar com os privilégios das pouquíssimas famílias (verdadeiras máfias), que detém as concessões e o monopólio. A única medida cabível, seria a intervenção e estatização de todo o transporte público para garantir os ônibus, trens e metrôs com os protocolos sanitários (higienização, um passageiro por banco e nenhum passageiro em pé), isso, sequer foi aventada por estes administradores com discursos tão eloquentes quanto sua estatura de pigmeu, perante os problemas e agruras do povo trabalhador, explorado e oprimido.

O preço dos alimentos explode com o arroz a quase 30 reais, óleo quase 10 reais, a carne então nem se fala. Será porque faltou transporte para estes alimentos, a pandemia prejudicou a produção? Não! Mil vezes não! Primeiro porque estes governos queimaram todo o estoque regulador de alimentos do Brasil, e os latifundiários especuladores se aproveitaram da pandemia para especular e lucrar horrores exportando com o dólar em alta toda sua produção. Canalhas.! Assassinos!

E a luz que subiu? E o gás que subiu? A gasolina que aumentou? E o aluguel que foi nas alturas? E o salário que não sobe!?!?!? O STIC-BH/MARRETA teve que arrancar a fórceps o INPC (regulador salarial), já defasado para os trabalhadores nessa última campanha salarial encerrada no finalzinho de dezembro.

Sem contar a aposentadoria, quase que impossível, a cada ano que se passa. E se tudo isso não fosse gravíssimo, ainda enfrentamos a “guerra das vacinas”.

Para causar confusão na consciência do povo e esconder a fraqueza deste seu “governo”, Bolsonaro e seus seguidores reacionários e obscurantistas declararam guerra contra as vacinas. É só desinformação, confusão, ironia. São ignorantes e criminosos.

O método científico desenvolvido pela humanidade, de utilizar o próprio veneno para combater o veneno, já é praticado há mais de duzentos anos, nos idos de 1790, então para combater a varíola.

Se não fosse pelas vacinas, um país explorado secularmente como o nosso, sem condições decentes de moradia e saneamento básico, jamais alcançaria uma expectativa de vida acima dos 70 anos. E em todo este tempo de agruras e sofrimento, o Brasil desenvolveu instrumentos dos mais avançados do mundo para vacinação em massa. Tudo isso vem sendo jogado no lixo pelas frases de efeito deste presidente falastrão. E enquanto mais de 50 países já começaram a vacinar sua população, o Brasil – 2.º país do mundo em número de mortes, ainda não consegue dar um alento sequer ao seu povo.

Mas pode ser pior: com a chegada da vacina, os que têm dinheiro e poder vão querer ser vacinados em primeiro lugar. Como tentou o STF e o MP de São Paulo.

Nesse sentido nós da construção civil, declarados como essencial (setor em que as atividades não podem ser paralisadas), vamos em sentido radicalmente contrário destes egoístas e corporativistas, que fazem jus ao velho dito popular “farinha pouca, meu pirão primeiro”.

Exigimos VACINA PARA O POVO, JÁ! 

Nós, trabalhadores em atividades essenciais, como também os motoristas de ônibus, os motoristas de transportes de aplicativos e entregadores, os operários das fábricas, os trabalhadores em supermercados, sacolões e padarias, os trabalhadores em farmácias, etc., NÃO TIVEMOS O DIREITO DE NENHUM DIA SEQUER DE QUARENTENA.

E para continuar trabalhando é necessário a TESTAGEM EM MASSA JÁ EM TODOS OS CANTEIROS DE OBRAS E ESCRITÓRIOS. O STIC-BH/MARRETA já contactou uma série de laboratórios, que nos informaram que algumas empresas do setor essencial testam todos os seus trabalhadores de 15 em 15 dias. É o mínimo que se poderia fazer! O SINDUSCON-MG, com sua mentalidade escravocrata e feudal, mesmo com as empresas da construção aumentando suas vendas e conseguindo financiamentos do governo, até agora não tomou nenhuma providência neste sentido.

No começo da PANDEMIA manifestamos claramente nossa posição de que a QUARENTENA ERA UM DIREITO DE TODOS, com garantia de SALÁRIOS E EMPREGOS, com TESTAGEM EM MASSA E TRATAMENTO MÉDICO PARA TODOS. NADA DISSO ACONTECEU!

Agora, diante de um novo fechamento de atividades, principalmente no comércio e todo o setor de serviços essenciais, com a falta de testagem em massa, hospitais, profissionais de saúde e vacinas, nos manifestamos pela necessidade de um grande movimento de todos os operários e trabalhadores que estão arriscando a vida SEM DIREITO À QUARENTENA. Já que é para correr riscos, que nos utilizemos da condição de NÃO ESTARMOS CONFINADOS SOCIALMENTE para lutarmos sem tréguas pela VACINAÇÃO JÁ PARA TODO O POVO, sem privilégios! Prioridade aos trabalhadores que NÃO TÊM O DIREITO À QUARENTENA (serviços essenciais).

E para continuar trabalhando, TESTAGEM EM MASSA, DE 15 EM 15 DIAS, EM TODOS OS CANTEIROS DE OBRAS E ESCRITÓRIOS, ATÉ A POPULAÇÃO ESTAR IMUNIZADA, ou seja, ATÉ O FIM DA PANDEMIA.

 

Vacina para o povo, já!

Testagem em massa nos canteiros e escritórios!

Sem demissão e com garantia de empregos e salários!

Auxílio emergencial de um salário-mínimo, Já!

Belo Horizonte, 14 de janeiro de 2021

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro