Equador: 'Massacre nos cárceres, a expressão de uma sociedade decadente', publicam os revolucionários sobre a situação nacional

A Frente de Defesa de Lutas do Povo do Equador (FDLP) publicou, no dia 28 de fevereiro, um texto de nome Massacres nos Cárceres, a Expressão de uma Sociedade Decadente, sobre a situação nacional em que 82 detentos foram assassinados durante rebeliões nas prisões superlotadas do país, em conflitos aparentemente entre facções rivais, porém com raízes muito mais profundas. Essas raízes, que são raízes de classe, são exploradas pelo texto dos revolucionários equatorianos:

"A influência do crime no desenvolvimento das forças produtivas pode ser demonstrada mesmo em pormenor. Teriam sido desenvolvidas fechaduras até à sua perfeição atual se não houvesse assaltos? Teria sido desenvolvida a fabricação de notas de banco até à sua perfeição atual se não houvesse falsificadores de moeda?.... E se deixarmos a esfera do crime privado: sem os crimes nacionais, teria alguma vez surgido o mercado mundial? Mesmo as nações exclusivamente?'  Marx

As prisões não são um câncer da sociedade, elas são a própria sociedade exposta em todas as suas formas, mas num determinado cenário.

Nos últimos dias cerca de uma centena de prisioneiros foram massacrados da forma mais cruel que um ser humano pode imaginar. Extirpação de órgãos, mutilação de membros, decapitação, enforcamento, e outros que expõem a falácia do discurso reabilitativo e a eficiência das instituições estatais, para além da tremenda crise que aflige a sociedade que está corroída em todas as frentes.

Perante esses fatos, muitos setores levantam a sua voz para apontar a necessidade de implementar a prisão perpétua ou a pena de morte. Há também aqueles que argumentam sobre a condição "natural" da delinquência ou uma derivação congênita destes comportamentos aberrantes.

A imprensa fala da fraqueza do sistema prisional, como se este estivesse fora da estrutura social do país. Em suma, procuram-se pretextos ou argumentos para tentar justificar o injustificável.

Os sistemas de vigilância e controle nas prisões do país estão entre os mais modernos da região. É praticamente impossível ingressar uma moeda de 10 centavos sem que seja detectado pelos vários filtros de segurança que têm as câmaras de vigilância, detectores de metais, scanners e outros.

A existência dentro das prisões de facas, catanas industriais, munições, pistolas, granadas de mão, espingardas (em várias buscas foram encontradas espingardas de guerra), telefones e, claro, o cerne de tudo isso, drogas de diferentes tipos, são o produto da aliança entre bandos criminosos com a polícia, guias e pessoal administrativo; ou seja, embora seja verdade que os bandos são o centro, a cumplicidade de toda uma estrutura institucional, policial e administrativa é o que dá funcionalidade e sustentabilidade dentro e fora das prisões.

É difícil estabelecer quanto dinheiro se move dentro dos chamados Centros de Reabilitação. Na Latacunga há aproximadamente 5 mil reclusos. Cada um deve pagar mensalidades pelo uso das celas, workshops e até mesmo pela educação. Além disso, um telefone interno pode custar entre 800 a 1.200 dólares. De fato, os guias e a polícia os vendem; após três meses levam-nos dos reclusos durante as buscas e vendem-nos novamente a outros reclusos em diferentes alas. Se existem cerca de 40 mil prisioneiros no país e basicamente 4 fortes e numerosos bandos que têm presença em todos estes centros, o acima exposto é uma boa razão para eles e os seus cúmplices matarem.


O problema das prisões do país é sistêmico. A criminalidade cresce de forma vigorosa e não haverá leis e/ou medidas coercivas capazes de a controlar na medida em que estas respondam à dinâmica torpe de um modo semifeudal e das relações de produção, incapazes de eliminar as condições estruturais que geram a decomposição de certas camadas da sociedade.

O problema das prisões do país é sistêmico. A criminalidade cresce de forma vigorosa e não haverá leis e/ou medidas coercivas que consigam controlar à medida que estas respondam à dinâmica desajeitada de um modo semi-feudal e das relações de produção, incapazes de eliminar as condições estruturais que geram a decomposição de certas camadas da sociedade.

É verdade que 82 indivíduos foram mortos quando, de acordo com a Constituição do antigo Estado, estavam sob a sua responsabilidade, cujos objetivos eram punir pela prática do crime, reabilitar o detido e subsequentemente reintegrá-lo na sociedade; Contudo, tal como estes prisioneiros, as vítimas desses, e as massas comuns, o Estado volta a falhar-lhes, e não porque queira, mas porque essa é a sua lógica, está organizado de tal forma que defende os interesses de um pequeno punhado de grandes burgueses e grandes latifundiários, o resto da população é utilizável, descartável ou substituível.

As leis não se destinam a estabelecer um certo equilíbrio no comportamento social da população, pelo contrário, destinam-se a sustentar o capitalismo burocrático e o velho Poder. Basta ver como nos chamados Centros de Reabilitação há uma população prisional idosa, com patologias catastróficas, e nada é feito para lhes dar uma atenção atempada e eficaz. Dezenas de prisioneiros morrem de doenças e falta de atenção nesses centros; no entanto, há alguns dias um juiz determinou que Jacobo Bucarám (filho do ex-presidente e prisioneiro de justiça Abdalá Bucarám) recebesse medidas de substituição porque o infeliz tem dificuldade em manejar o frio de Quito. Que estupidez, mandaram-no para a prisão domiciliária em Guayaquil!

Engels, com profunda objetividade salientou que: "Quando um indivíduo faz tal mal a outro indivíduo que causa a sua morte, dizemos que se trata de um homicídio; se o autor age premeditadamente, consideramos o seu ato como um crime. Mas quando a sociedade coloca centenas de proletários em tal situação que estão necessariamente expostos a uma morte prematura e anormal, a uma morte tão violenta como a morte à espada ou à bala; quando lhes retira a milhares de seres humanos os meios indispensáveis de existência, impondo-lhes outras condições de vida, de modo que lhes é impossível subsistir; quando os força pelo poderoso braço da lei a permanecerem nessa situação até à morte, que é a consequência inevitável da mesma; ...quando ela sabe muito bem que estes milhares de seres humanos serão vítimas destas condições de existência, e ainda assim lhes permite subsistir, então o que é cometido é um crime, muito semelhante ao cometido por um indivíduo, excepto que neste caso é mais escondido, mais pérfido, um crime contra o qual ninguém se pode defender, que não parece um crime porque o assassino não é visto, porque o assassino é todos e ninguém ao mesmo tempo, porque a morte da vítima parece natural, e que peca menos por comissão do que por omissão.  Mas isso não faz com que seja menos um crime".  (F Engels: A Situação da Classe Trabalhadora na Inglaterra).

Há uma espécie de dois pesos e duas medidas no país. Apenas alguns dias antes dos massacres nas prisões, uma dúzia de indivíduos foram presos pela violação permanente e sistemática de um grupo de crianças com deficiências físicas e mentais; claro que esta aberração foi ignorada pela imprensa burguesa e muito mais pela intervenção do Estado para dar o tratamento correto às vítimas e aos perpetradores. Hoje em dia, a violação, o assassinato, o desmembramento, o roubo, o roubo de gado, o tráfico de droga, a corrupção de empresários privados ou de funcionários públicos é vista como se fosse uma norma, algo inevitável e algo com que temos de nos habituar a viver.

Se um funcionário público ou um empresário privado for capaz de falsificar testes para detectar o Covid-19 e vacinas para proteger a população da pandemia ou cometer atos de corrupção na compra e distribuição de todos estes insumos contra o Covid, podemos ficar surpreendidos com o que acontece nas prisões? Claro que não, são crimes iguais ou mesmo mais graves em relação aos assassinatos e ao crime organizado nas prisões, porque envolve um maior número de pessoas que são prejudicadas, ataques contra a saúde e a vida das massas das instituições públicas e privadas.

Marx, na obra "A Sagrada Família", indicou a necessidade de "...destruir as fontes anti-sociais do crime". A luta contra a delinquência, através do aumento e apoio das leis prisionais e da maior reativação dos aparelhos repressivos, só chegaria a soluções estreitas, pelo que, no quadro desta sociedade semifeudal e semicolonial estamos condenados a viver no meio do lastro social, o atuar do lumpen de todos os estratos ou níveis sociais na medida em que as causas estruturais que as geram permanecem intocadas ou evoluem tépidas; Consequentemente, a tarefa é transformar radicalmente a velha sociedade, destruí-la, erigir um novo Estado, novas leis, novos instrumentos sobre as suas ruínas.

Moreno saiu para dizer que procurará ajuda internacional para combater a violência nas prisões e o crime organizado. É tudo; os representantes do antigo Estado aproveitarão estas oportunidades, do endurecimento das leis, do reforço do aparelho militar para propiciar a criminalização da luta e do protesto e do movimento social, enquanto isso, os credores estrangeiros (gringos ou israelitas) da polícia e da assistência militar aproveitarão para estabelecer bases militares ou dirigir os aparelhos repressivos com fins mais dirigidos a neutralizar todos aqueles que de uma forma ou de outra os combatem no país.

O velho estado está podre; cheira mal, vomita sangue, miséria, exploração. As massas são atiradas para uma violência cada vez mais abjeta; dobramos as nossas armas e lançamo-nos na linha do revisionismo e do oportunismo à procura de soluções por meios eleitorais, ou levamos as coisas mais a sério e geramos objetivamente os instrumentos necessários para desencadear a guerra popular e não deixamos nenhuma pedra sobre pedra desta velha sociedade.

O VELHO ESTADO LATIFUNDIÁRIO BUROCRÁTICO NÃO É REFORMADO, É DESTRUÍDO!

A REBELIÃO SE JUSTIFICA, AQUI, E AGORA!"

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin