BA: Protesto de pequenos comerciantes fecha avenida com barricadas

Em Salvador, pequenos comerciantes revoltados levantaram barricada durante protesto pelos seus direitos. Foto: Reprodução

No dia 03 de março, pequenos comerciantes revoltados tomaram as ruas de Salvador, em um protesto exigindo seus direitos. Os manifestantes levantavam faixas e cartazes em que pediam trabalho digno e também se posicionaram contrários ao fechamento de seus pequenos comércios. As medidas de punição e obrigação de que permaneçam fechadas os estabelecimentos desses lojistas contrasta com a liberdade que encontram os grandes monopólios, que operam em meio às restrições da pandemia da Covid-19 livremente. Um protesto semelhante já havia ocorrido no Rio de Janeiro em 15/05 do ano passado (nessa ocasião, os pequenos comerciantes chegaram a atacar a Lojas Americanas).

Leia também: RJ: Comerciantes atacam loja de departamento

Nesse protesto na capital baiana, o clima de revolta era visível. Com uma barricadas feita com pneus e outros objetos, os manifestantes fecharam parte da Avenida Oscar Pontes, na região do bairro da Calçada. Também era possível ver cartazes e faixas que diziam A fome mata! Queremos trabalhar!. Outros manifestantes carregavam panelas como forma de sinalizar a falta de alimentos.

Os manifestantes exigiam a suspensão de contas durante o período em que seus comércios ficassem fechados. Foto: Reprodução

Os manifestantes pediam, ainda, a suspensão de impostos como IPVA, IPTU, e também a paralisação da cobrança dos serviços de água, luz e outros. Um cartaz estampava a frase Na eleição não teve Covid, em uma referência ao fato de que durante a farsa eleitoral, muitos dos governadores, prefeitos e políticos que se posicionam como "humanistas de ocasião" não titubearam em se aglomerar, descumprir todas as medidas de prevenção à proliferação da Covid-19 e desrespeitar os protocolos estabelecidos para conter o avanço da doença.

a quebradeira dos pequenos comércios

Em meio ao pior momento da pandemia, em que faltam leitos em todo o país, somados à falta de vacinas em número suficiente e a existência de muitas variantes do novo coronavírus em território nacional, um outro colapso surge: o colapso econômico das pequenas empresas. Ao qual nenhum governo busca dar soluções, haja visto que o auxílio emergencial interrompido no fim de 2020 sequer foi implementado no atual ano, seja em esfero federal ou em esfera estadual. 

O setor dos pequenos comerciantes, ao mesmo tempo em que é o setor que mais emprega no país, é o setor mais prejudicado. No ano de 2020, 81% dos pequenos comerciantes declararam que seu faturamento mensal caiu. Em média, os pequenos negócios operam com um faturamento 50% menor do que o período pré-pandemia. Os dados são da Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

Foto: Reprodução

O cenário da quebradeira, porém, antecede à pandemia. Em 2018, 96,5% das falências decretadas foram de pequenas empresas, resultado do alto juro bancário e da concorrência desleal imposta pelos monopólios varejistas. Esses últimos, mesmo em meio à pandemia, por seu caráter multinacional e de grande empresa (monopolista) conseguem manter seus negócios. Ainda quando atuam "no vermelho", elas se sustentam mais em relação às pequenas lojas. O que possibilita que, logo na primeira oportunidade, essas empresas monopolistas resgatem tudo o que perderam (seja com isenção fiscal ou mesmo adquirindo novos empréstimos).

Recorrendo à ajuda nos bancos, muitos dos donos de pequenos estabelecimentos buscaram empréstimos. Porém somente 11% dos comerciantes conseguiram. No Rio de Janeiro, por exemplo, mais de 60% dos pedidos de empréstimos feitos por micro e pequenas empresas foram negados, 12% ainda estão no aguardo de um parecer sobre o pedido de empréstimo e somente 27% (menos de um terço) obtiveram um parecer favorável até janeiro de 2021.

Por outro lado, o lucro dos bancos nesse período não caiu. No terceiro trimestre, os lucros dos 4 principais bancos do país – Bradesco, Banco do Brasil, Itaú e Santander – somaram R$ 17,4 bilhões. No ano todo, o lucro total desses grandes bancos somaram R$ 61,6 bilhões. Optando por manter seus gordos lucros, os bancos diminuíram as concessões de créditos no mês de janeiro. As concessões registradas logo no primeiro mês de 2021 diminuíram 27,7% em relação ao mês anterior (dezembro de 2020). Isso indica que o mercado financeiro segue lucrando com o sofrimento do povo em geral, o que inclui os pequenos comerciantes que, desalentados, protestam a favor que seus pequenos negócios sigam abertos, seguindo os protocolos de segurança, os quias 82% deles afirmaram já ter implementados ou que estão em processo de implementá-los.

Uma justa reivindicação

Cansados de recorrer à diferentes tentativas de manter seus pequenos negócios, os comerciantes de Salvador impulsionaram o protesto popular. A reivindicação pelo cancelamento das contas é algo que exclama. Mesmo durante a pandemia as contas de água, luz continuaram tendo aumentos. A expectativa é de que durante o ano de 2021, os aumentos cheguem a 15%. Frente à perda do poder de compra, muitas famílias estão escolhendo qual alimento priorizar e qual cortar da lista de compras.

Insensíveis a essa realidade que assola a imensa maioria do povo, os governos em diferentes níveis se mantém calados.

Foto: Reprodução

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin