RJ: PMs interrompem ato contra a violência policial no Rio

Policial tira o microfone da mão de ativista durante fala contra a violência policial. Foto: Comitê de Apoio do Rio de Janeiro/RJ.

A Polícia Militar do Rio de Janeiro atacou um ato contra a violência policial e deteve, no dia 04 de janeiro, o ativista de movimentos de favela, André Constantine, no exato momento em que o mesmo fazia um discurso no ato contra a violência policial na Cinelândia, região central do Rio de Janeiro.

De forma totalmente arbitrária, policiais interromperam a fala de André, e quebraram o microfone que estava em sua mão. Os policiais o colocaram à força na viatura e o levaram para a 5º Delegacia Policial (Centro).

O ato covarde, digno dos tempos do Ato Institucional Nº 5, em vigor durante o regime militar fascista, expôs o encorajamento dos militares para, à vista de todos, praticar atos contra a liberdade de expressão e outros direitos democráticos, como a liberdade de reunião - posto que, na prática, o ato se encerrou após tal interferência dos agentes da repressão.

O ato foi organizado por vários movimentos populares, bem como por trabalhadores ambulantes, movimentos de defesa ao povo da favela e redes de mães que perderam seus filhos assassinados pelo Estado. O ato denunciou o plano de armamento da Guarda Municipal do Rio de Janeiro, projeto que tem apoio do prefeito Eduardo Paes (DEM). As falas também foram direcionadas contra os abusos e crimes praticados pela PM nas favelas do Rio.

Leia também: RJ: Moradores protestam após morte de enfermeira durante operação policial; vídeo mostra agentes combinando versão

Neste momento, durante a fala de André, que denunciou todo o esquema de corrupção e acordos feitos por policiais com delinquentes e paramilitares que dominam as comunidades, os PMs que estavam acompanhando o ato intervieram e levaram André preso, acusando-o de desacato. André, porém, havia falado um fato já constantemente apontado em pesquisas e reportagens: os crimes da PM do Rio. Portanto, nem mesmo dentro do ordenamento jurídico tal fala configura este retrógrado “crime”.

A equipe de AND esteve presente durante todo o ato, distribuiu jornais e apoiou o movimento de camelôs e os ativistas contra a violência policial. No momento da prisão de André, os jornalistas de AND filmaram toda a ação e posteriormente foram até a delegacia para prestar solidariedade e exigir sua imediata soltura, fato que aconteceu algumas horas depois por falta de provas, já que os vídeos do ato mostraram que André não cometeu qualquer tipo de crime.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin