SP: Detentos são mantidos em celas fechadas e sem comida

Presídio de responsabilidade do governo de São Paulo (João Dória, PSDB) é alvo de graves denúncias por familiares de presos. Foto: Reprodução/Edson Lopes Jr

A penitenciária 2 de Presidente Vencelaus, localizada no interior de São Paulo, está mantendo os detentos sem comida há mais de três dias e em celas sem ventilação, de acordo com reportagem apurada por Caê Vasconcelos para o portal Ponte Jornalismo.

Uma obra de reforma para o presídio se tornar uma unidade de Regime Disciplinar Diferenciado (RDD) fechou as entradas de ventilação das celas, que já não eram adequadas. Atualmente, somente uma pequena janela de aço cumpre a função de circular o ar. A frente das celas é manuseada automaticamente e lacrada, e a parte de trás, onde tem ventilação, deverá ser fechada para a obra.

O atual contexto de pandemia multiplica a condição degradante. Os detentos são mantidos presos 20 horas por dia nas celas fechadas e saem somente por duas horas para o banho de sol.

As esposas presentes no local para visitas contaram que a situação nunca esteve pior.

Também há falta de comida no presídio. Há mais de três dias o faxineiro não pode ir até os detentos entregar as marmitas fornecidas pelo governo pois está sendo barrado. Uma das esposas relatou que a refeição é uma sopa dentro de uma caneca que nem um cachorro iria comer.

“Meu marido me contou que estava com muita fome e achou um caramujo dentro da comida, mas viu os outros comendo com tanta vontade que não contou. Mas depois que comeram ele contou. Ele comeu a comida assim. A gente pede socorro”, relatou a esposa de outro detento.

Familiares não têm permissão de levar mantimentos e só podem enviar sedex uma vez por mês. Também é comum fiscais deixarem a comida vencer.

 

Negligência médica

A reportagem também colheu relatos que revelam o descaso da gestão do presídio com a condição de saúde dos detentos.

Uma esposa afirmou que seu marido teve dois derrames, em 2019 e 2020 e nenhuma providência foi tomada. O médico não chegou a dar um diagnóstico e como sequela o detento ficou com o lado direito do rosto dormente.

Quatro pessoas morreram dentro da cadeia durante um ano de pandemia. “O último óbito que tivemos ciência, há duas semanas, é de uma senhora evangélica, que o marido sofria de uma doença que nenhum dos médicos conseguiu descobrir o que era, mas ele ficou extremamente debilitado, ele precisava de uma alimentação específica e a unidade dava o que tinha. Ela está muito abalada para contar”.

“A gente viaja por 10 horas daqui da capital para Presidente Prudente, e ela teve que voltar três vezes porque o marido estava no hospital. Ela gastou dinheiro e tempo para viajar e só saber lá. É desumano. Na última vez, ela pôde ir ver ele no hospital. Ela tentou prisão domiciliar, mas não conseguiu e o marido faleceu”, detalhou uma esposa.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin