Ataque israelense atinge a principal instalação nuclear do Irã

Centrífugas na instalação nuclear de Natanz, destruídas na explosão. Foto: Aeoi Handout/EPA

No dia 11 de abril, um ataque orquestrado pelo serviço secreto de Israel (Mossad) atingiu a instalação nuclear de Natanz, no Irã, com uma enorme explosão, impedindo o funcionamento das milhares de centrífugas que enriquecem urânio no país. O porta-voz da Organização de Energia Atômica do Irã, Behrouz Kamalvandi, afirmou no dia 12/04 que a explosão produziu uma cratera gigante, e acusou Israel de terrorismo nuclear. 

Embora Israel não tenha assumido oficialmente a responsabilidade pelo ataque, os monopólios de imprensa sionistas apontaram o Mossad como o autor, segundo diversas fontes militares. O The Jerusalem Post, por exemplo, afirmou em editorial no dia 12/04 que, desta vez, a imprensa de Israel não sofreu censura militar, como acontece usualmente, “o que explicitamente creditou o Mossad pela operação secreta”.

Já o monopólio ianque The New York Times, que também corrobora para a narrativa de que Israel está por trás do ataque, utilizou dois funcionários da inteligência como fontes, que disseram que o ataque fará com que leve pelo menos nove meses para restaurar a produção de enriquecimento de urânio na usina de Natanz. 

No dia 12/04 o primeiro-ministro genocida, Benjamin Netanyahu, também declarou que “a luta contra o Irã e seus representantes e o armamento iraniano é uma missão gigante”, e que “Minha política como primeiro-ministro de Israel é clara. Nunca permitirei que o Irã obtenha a capacidade nuclear para cumprir seu objetivo genocida de eliminar Israel, e Israel continuará a se defender contra a agressão do Irã e o terrorismo”.

O chefe do exército sionista, Aviv Kohavi, afirmou em meio a um discurso que “as ações das FDI [Forças Armadas de Israel] em todo o Oriente Médio não estão escondidas da visão de nossos inimigos”, praticamente admitindo a responsabilidade.

ENVOLVIMENTO DO IMPERIALISMO IANQUE

A sabotagem ocorreu um dia depois de o presidente iraniano Hassan Rouhani inaugurar novas centrífugas de energia na usina de Natanz em uma cerimônia transmitida ao vivo, e enquanto o secretário de Defesa ianque (Estados Unidos, USA), Lloyd J. Austin III, estava em Israel para se encontrar com Netanyahu e com o ministro da Defesa israelense, Benny Gantz. 

Após se encontrar com Austin, Netanyahu afirmou: “Ambos concordamos que o Irã nunca deve possuir armas nucleares”. Já Gantz disse a Austin que “O Teerã [capital do Irã] de hoje representa uma ameaça estratégica à segurança internacional, a todo o Oriente Médio e ao Estado de Israel”.

O ataque a Natanz ocorre em meio à negociação de retorno ao acordo nuclear de 2015 firmado entre o USA e o Irã, o qual foi abandonado pelo imperialismo ianque em 2018; e em meio aos esforços iranianos de defender a sua soberania nacional quanto à matriz energética de sua escolha e seu desenvolvimento de um programa nuclear próprio. A ação de sabotagem serve, assim, para pressionar as negociações nucleares, previstas para serem tomadas no dia 15/04. 

Enquanto a narrativa de Israel procura pintar o Irã como uma potencial “ameaça nuclear”, o país lacaio do USA no Oriente Médio é considerado o sexto país do mundo a desenvolver armas nucleares, e se recusa a firmar o Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP), apesar de não sofrer retaliação por isso. 

Apesar de não haver confirmação oficial de que o USA e suas “autoridades” (como o secretário de Defesa) tenham sido informados do ataque com antecedência de que ele tenha sido programado para coincidir com a visita de Austin, são notórias as sabotagens contra o programa nuclear iraniano orquestradas pelo imperialismo ianque. Assim como também o é o histórico de conluio entre o USA e seu lacaio, Israel, na realização dessas ações de sabotagem, tanto políticas e econômicas (por meio de sanções, difamação e espionagem descarada), como físicas (bombas plantadas e ataques cibernéticos). Em 2018, a servir de exemplo, agentes do Mossad invadiram um armazém em Teerã e roubaram meia tonelada de registros secretos sobre o projeto nuclear do Irã, que foram entregues à Agência Internacional de Energia Atômica.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin