BA: Manifestação exige justiça para crianças vítimas da PM baiana

Manifestação exige justiça para crianças mortas por policiais na Bahia. Foto: Reaja Ou Será Morta / Reaja Ou Será Morto

Dezenas de pessoas realizaram um protesto combativo em frente a Governadoria do Estado da Bahia (GEB), na manhã do dia 19 de abril. Eles exigiam justiça para Micael Silva, de 11 anos, Ryan Andrew, de 9 anos, e Joel, de 10 anos. Três crianças vítimas da política de segurança pública do Governo do Estado da Bahia. O governo da Bahia, que é responsável pela Polícia Militar e todo aparato repressivo a nível estadual, está a 14 anos sob a gestão do PT.

O ato foi convocado pela Organização Política Reaja ou Será Morta, Reaja ou Será Morto (Reaja). O protesto mobilizou mães, pais e crianças do bairro Nordeste de Amaralina , porém também estiveram presentes jovens de outros bairros de Salvador.

O prédio da GEB foi cercado por militares e seguranças, que fizeram a proteção do edifício. Mesmo sob chuva, nada deteve o ato, que expressou combatividade a todo o momento, além de muita organização com as questões sanitárias, com o uso de máscaras e distanciamento.

Foto: Reaja Ou Será Morta / Reaja Ou Será Morto

Os manifestantes gritaram palavras de ordem “Contra o genocídio do povo negro, nenhum passo atrás!”, “Rui Costa é assassino!” e os nomes das várias vítimas acompanhados de gritos de “Presente!” .

“Eles levaram a vida do meu filho, a vida do menino Ryan, a vida do menino Michael, mas nós não vamos nos calar! Enquanto Deus der forças e vida, nós vamos guerrear até o fim” denunciou Joselita Menezes, mãe de Micael Silva.

Leia também: BA: Protesto fecha avenida após PM assassinar criança de 9 anos

O militante e escritor, Hamilton Borges disse: “Essa situação não começou agora aqui para nós. (...) A Polícia Militar nasceu em 1825 para destruir quilombos (...) é um projeto de ódio que permanece, não importa o governo, se é o do  PT,  que é o que está aí (...) que tem nome, “Partido dos Trabalhadores”, que desconhece que o fato de que a maioria (do ato) aqui é de trabalhador”. O ativista seguiu denunciando as falsas promessas do “Programa Pacto Pela Vida”, que prometeu criar empregos, políticas culturais e saneamento e só levaram mais armas e repressão para o bairro do Nordeste de Amaralina. 

A Reaja, em convocação para o ato, destacava que “Ryan, de apenas 9 anos de idade foi vítima da prática genocida do governo do Estado da Bahia, que através da Polícia Militar aterroriza os bairros pretos da cidade mais negra fora do continente africano e também as cidades do interior do estado (...) 

Uma realidade perversa e cruel para o povo negro, que em muitos bairros como o Vale das Pedrinhas/Nordeste de Amaralina, tem sido uma constante, a exemplo do que ocorreu – entre outras vítimas – com o menino Joel com 10 anos de idade no ano de 2010 e com o pequeno Michael com 11 anos de idade em 2020”.

A Bahia em 2016, contabilizou 457 mortos por intervenção policial no estado, é o estado com maior número de homicídios desse tipo, na frente inclusive do Rio de Janeiro e São Paulo, sendo estes dados referentes somente aos assassinatos registrados e que mostram em prática a marcante frase do governador petista de que a polícia militar é “(...) como um artilheiro frente ao gol” em suas ações de extermínio. 

A PM baiana tem sido instrumento para o extermínio de jovens negros nas periferias da capital baiana e região metropolitana, eliminação seletiva de camponeses, indígenas e quilombolas pelo interior do estado e ações de desapropriação em plena pandemia.

Foto: Reaja Ou Será Morta / Reaja Ou Será Morto

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin