Afeganistão: Talibã rechaça decisão do USA em atrasar a retirada de suas tropas

Bandeira do imperialismo fincada na base de Bostick utilizada por forças do USA, na província de Kunar, Afeganistão. Foto: David Goldman/AP Photo

No dia 15 de abril, o autodeclarado “Emirado Islâmico do Afeganistão” (Talibã) publicou uma declaração rechaçando o anúncio feito no dia anterior pelo representante do imperialismo ianque (Estados Unidos, USA), Joe Biden, de adiar a retirada das tropas remanescentes no país para o dia 11 de setembro, data do 20º aniversário do ataque às Torres Gêmeas. O prazo final acordado entre as duas partes, no Acordo de Doha (firmado em fevereiro de 2020), previa a retirada final de todas as tropas em 1º de maio.

A declaração afirma que o Talibã “exorta a América e todos os países ocupantes a pararem de inventar desculpas para prolongar a guerra e a retirarem todas as suas forças do Afeganistão imediatamente”. 

Ela também deixa claro que, com a violação do acordo por parte do USA, abre-se caminho para que os combatentes do Talibã “tomem todas as contra-medidas necessárias, portanto, o lado americano [ianque] será responsabilizado por todas as consequências futuras”. Antes disso, o grupo já havia afirmado que manteria os ataques contra forças do USA e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) caso as tropas invasoras não saíssem dentro do prazo.

O Talibã, principal expoente da Resistência Nacional do país hoje, havia suspendido a maior parte de seus ataques contra as forças estrangeiras após o acordo de Doha, e voltado seu foco contra o governo fantoche, sediado na capital nacional de Cabul, a fim de tomar o Poder do velho Estado afegão.

Em reportagem, o monopólio de imprensa inglês BBC evidencia que, na maior parte do território afegão, o governo fantoche do USA tem controle sobre a maioria das cidades e vilas maiores, porém o Talibã controla o resto, o interior e as estradas, de forma a cercar essas cidades. Sobre essa situação, a liderança talibã da região de Balkh, Haji Hekmat, declarou aos jornalistas da BBC: “Nós vencemos a guerra. A América perdeu”.

Chamada pelo ex-presidente do USA Barack Obama (2009-2017) de “a guerra inevitável”, a guerra genocida lançada pelo USA contra o Afeganistão constitui a mais longa da história do imperialismo ianque, durando ininterruptamente desde 2001.

Desde então, a Missão da Organização das Nações Unidas no Afeganistão (Unama) afirma que mais de 146,5 mil civis afegãos foram mortos, dos quais 35,5 mil são apenas estimados, uma vez que o USA começou a documentar as baixas civis apenas em 2009, oito anos após o início da guerra. 

É evidente que, por mais que hoje o Talibã cumpra, transitoriamente, uma das tarefas da Revolução Afegão da atualidade, que é a de expulsar as tropas invasoras que ocupam a nação, com a derrocada do atual governo fantoche afegão a sua tendência é a de também capitular e passar a colaborar com os imperialistas em suas outras formas – menos diretas e mais sofisticadas – de dominação. Por conta da sua ideologia feudal e limitada quanto ao caráter de classe, ele é incapaz de libertar plenamente a nação da sua condição de semicolônia, tarefa esta que só pode ser cumprida pelo proletariado, por meio de seu partido revolucionário, que dirija o processo rumo à Nova Democracia e ao Socialismo.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin