Espanha: Exército reprime 8 mil migrantes recém-chegados

Várias unidades do exército reacionário espanhol junto de carros blindados reprimiram, no dia 18 de maio, cerca de oito mil migrantes que haviam chegado em Ceuta a nado do Marrocos. Os agentes espancaram os migrantes e os empurraram de volta para a água, entre eles mulheres e crianças. Um homem morreu durante a travessia.

Os imigrantes começaram a chegar em Ceuta no dia 17/05, e no dia 18 já somavam oito mil pessoas. Cerca de quatro mil migrantes já haviam sido “devolvidos” ao Marrocos. "Nem sequer temos números para aqueles que levamos ao hospital", disse Isabel Brasero, porta-voz da Cruz Vermelha. De uma ponta a outra do trecho de praia que margeia a cerca que dá acesso à travessia da fronteira haviam pessoas exaustas, quase todas de origem subsaariana.

O retorno dos imigrantes estava sendo realizado "sem a menor formalidade", de acordo com a agência do monopólio de imprensa Efe. A Ordem dos Advogados de Ceuta confirmou ao El País que seus advogados não foram avisados, como geralmente acontece quando há numerosas ingressões, para ajudar legalmente os retornados de acordo com a lei.

A entrada de 8.000 pessoas de forma irregular em um único dia é um evento sem precedentes na Espanha. Números semelhantes não foram alcançados mesmo nos momentos de maior pressão migratória. O recorde mais recente foi batido no fim de semana de 7 e 8 de novembro de 2020 nas Ilhas Canárias, quando 1.500 pessoas entraram em um único dia e quase 2.200 migrantes acabaram desembarcando nesse fim de semana.

A migração e o chauvinismo

A crise migratória que arriscou a vida de milhares de pessoas ocorreu após o velho Estado marroquino afrouxar a repressão na fronteira com Ceuta para se “vingar” do Estado espanhol pela admissão em um hospital em Logroño do líder da Frente Polisario* e presidente da República Árabe Saharaui Democrática (RASD), Brahim Gali, 73 anos de idade e sofrendo de Covid-19.

Já a União Europeia, sob o domínio político hegemônico da Alemanha (por ser o país imperialista mais poderoso economicamente e militarmente ali e o maior destinos desses imigrantes), expressou sua “solidariedade e apoio” à Espanha e advertiu a Marrocos “As fronteiras da Espanha não são as fronteiras da União Européia”. Dando mostra mais uma vez de seu chauvinismo e rechaço aos imigrantes.

A chamada “crise de imigração” como um fenômeno mundial se dá, na verdade, pelo constante e vil espólio da maioria de nações oprimidas por um punhado de países imperialistas. Esses promovem guerras de rapina e guerras de baixa intensidade para aprofundar sua dominação, tornam os países subjugados dependentes economicamente através de “acordos” leoninos e dívidas impossíveis de pagar, além de tantos outros artifícios utilizados.

Solidariedade entre o povo

Uma semana após a chegada em Ceuta, muitos migrantes ainda eram perseguidos pelo velho Estado e desdenhados pelas ONGs. Entretanto, confirmou-se, mais uma vez, que a consigna Só o povo ajuda o povo! está correta.

"Fomos ver três organizações diferentes, mas fomos rejeitados. Fomos para a delegacia e eles nos escorraçaram. Fomos à Cruz Vermelha, e eles nos disseram que não podiam nos acolher", disse um imigrante ao monopólio de imprensa France24.

Diante dessa situação, a moradores local, Sabah Mohamed juntou amigos e eles se organizaram para poder prestar solidariedade aos imigrantes. "Vi tanta gente vagando pelas ruas e pensamos: 'Temos que ajudá-los'. Havia pessoas que estavam molhadas, pessoas que não tinham sapatos, outras que estavam desorientadas e com fome... Então meus amigos e eu, que não pertenço a nenhuma organização, decidimos que precisávamos ajudar".

"Eles nos dão roupas, podemos vir tomar banho aqui... eles nos dão comida e água". É tudo o que precisamos, graças a Deus". O povo de Ceuta é gentil conosco", disse um migrante na casa de Mohamed.

Veja aqui as imagens do ocorrido:

Exército e polícia espanhóis atiram bombas contra migrantes recém chegados. Foto: Fadel Senna

Soldados reprimem imigrantes recém chegados. Foto: Antonio Sampere

Bebê é resgatado. Foto: Guarda Civil

Trabalhadora da Cruz Vermelha presta apoio a migrante. Foto: Bernat Armangue 


* De acordo com AND, a Frente Polisário é um movimento de libertação nacional que luta pela independência do Saara Ocidental em relação ao Marrocos desde 1975, após o fim da ocupação espanhola. Atualmente, o exército saarauí exige a realização de um referendo para que o povo local decida ou não pela sua autodeterminação.

Em 13 de novembro de 2020, o grupo declarou que o Marrocos havia quebrado um cessar-fogo de três décadas ao retomar operações militares na fronteira de Guerguerat para reabrir uma rodovia bloqueada, que leva à vizinha Mauritânia. O local em questão fica na zona neutra entre o território reivindicado pela monarquia marroquina e a República Democrática Árabe Saarauí.

Brahim Ghali, líder saarauí, afirmou em carta à Organização das Nações Unidas (ONU) que “[O Marrocos] prejudica gravemente não apenas o cessar-fogo e acordos militares relacionados, mas também qualquer chance de conquistarmos uma solução pacífica e duradoura sobre a descolonização do Saara Ocidental”.

Recentemente, o Marrocos concordou em normalizar laços com Israel e a reconhecer o Estado sionista, a despeito da ocupação colonial e genocida dos territórios palestinos. Em troca, o Estados Unidos (USA) reconheceu a soberania do Marrocos sobre as áreas em disputa do Saara Ocidental.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin