DF: Em mais um dia de manifestação, cerca de 2000 indígenas enfrentam repressão em frente a Funai

No dia 16 de junho, cerca de 2000 indígenas de 40 povos e de todas as regiões do país, que participam da mobilização em Brasília intitulada “Levante Pela Terra”, realizavam uma manifestação na entrada do prédio da Fundação Nacional do Índio (Funai), quando foram atacados pelos Policias Militares (PM) com bombas lacrimogêneo, spray de  pimenta e ameaças de arma de fogo as lideranças.

Altivamente responderam ao ataque da PM com pedras e flechadas. Em palavras de ordem, durante todo o ato, diziam: Sangue indigena nem uma gota a mais! Demarcação Já! Fora Bolsonaro!

Indígenas resistem a ações de repressão da PM durante ato em frente a Funai. Foto: Mídia ninja

Indígenas resistem a ações de repressão da PM durante ato em frente a Funai. Foto: Mídia ninja

A manifestação ocorreu em frente a Funai em rechaço às ações do presidente do instituto, Marcelo Xavier (indicado pelo latifúndio) que reuniu-se no dia anterior com a presidente da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC), Bia Kicis (PSL-DF), para defender o projeto de lei (PL) 460. 

O fato causou indignação nos indígenas, que estão mobilizados há mais de uma semana em Brasília e não foram recebidos pelo presidente da Funai. Em falas os manifestantes enfatizavam que o presidente da Funai utiliza o órgão como balcão de negociação.  

Os indígenas denunciaram que Marcelo Xavier desviou a função de toda instituição, alegando que ele quer acabar com os povos indígenas e que se fossem latifundiários a fim de conversar com o presidente, viriam até no avião da Força Aérea Brasileira (FAB), mas eles através das forças de repressão são impedidos de se manifestar. 

Indígenas resistem a ações de repressão da PM durante ato em frente a Funai. Foto: Mídia ninja

Em entrevista a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) durante o ato, Thiago Karai, liderança indígena dos Guarani Mbya da Terra Indígena (TI) Jaraguá, denunciou: “O único interesse da Funai é abrir as terras indígenas para os madeireiros, especuladores e fazendeiros, o único interesse da Funai é abrir as aldeias para os invasores”. E seguiu afirmando: “A Funai hoje vem sendo usada para tirar os nossos direitos, e nós vamos resistir, vamos continuar aqui! E se for preciso eles vão derrubar sangue indígena na Funai, mas nós vamos resistir aqui! Nós vamos continuar lutando!”.

Tiago também denunciou a repressão e as ações da Funai: “O presidente da Funai recebe os ruralistas, recebe aquelas pessoas que nos ameaça, aqueles que são contra os nossos direitos, mas no momento que estamos aqui exigindo falar com ele, ele se acovarda e esconde lá dentro e coloca seus cães de caça aqui!”. Disse ainda: “Mas nós vamos continuar aqui, não importa quantos capitães do mato eles coloquem na nossa frente!”.

Denunciam também que quem se opõe hoje ao governo é preso, perseguido, criminalizado. Em ato simbólico, queimaram a foto do presidente Marcelo Xavier e o destituíram do cargo.

Leia também: DF: Indígenas de todo país realizam combativo protesto

Indígenas resistem a ações de repressão da PM durante ato em frente a Funai. Foto: Mídia ninja

Manifestantes chamam batalhão do choque de "Cães de guarda" do "covarde" presidente da Funai. Foto: Mídia ninja

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin