Ações são realizadas mundialmente no Dia dos Presos Políticos e Prisioneiros de Guerra Revolucionários

No dia 19 de junho, Dia Internacional dos Presos Políticos e Prisioneiros de Guerra Revolucionários, ativistas, trabalhadores e estudantes se mobilizaram em todo o mundo para celebrar a luta dos que se enquadram nessa categoria. 

A data remete ao 19 de junho de 1986, estabelecido posteriormente como Dia da Heroicidade pelo Partido Comunista do Peru (PCP). Neste dia aconteceram os cruéis crimes de guerra por parte do velho Estado peruano, encabeçado pelo fascista Alan García (presidente do Peru à época), contra os combatentes do Exército Guerrilheiro Popular (EGP) e militantes maoistas do PCP que se organizavam nas prisões de Lurigancho, Callao e na Ilha do Frontón. A ação genocida foi a resposta dada pelo velho Estado peruano ao fato de que os maoistas peruanos converteram as prisões (verdadeiras masmorras semifeudais) em Luminosas Trincheiras de Combate, autossuficientes e fortalezas ideológicas livres de torturas. Esse foi o palco de uma das mais heróicas resistências na história do proletariado internacional, em que as massas enfrentaram com armas precárias o Exército reacionário peruano, que explodiu com morteiros e bombardeios as instalações penais diante da impossibilidade de matar os prisioneiros revolucionários. 

O PCP assumiu então o dia 19 de junho como o Dia da Heroicidade que, anos mais tarde, seria adotado por organizações e partidos revolucionários em todo o mundo como o Dia Internacional dos Presos Políticos e Prisioneiros de Guerra Revolucionários. Por esse motivo, nas mobilizações atuais, foram lembrados os filhos do povo privados de sua liberdade nas masmorras dos Estados reacionários e comemoradas as suas lutas. 

Além da situação dos prisioneiros políticos, destacou-se a situação dos prisioneiros de guerra, principalmente a de Abimael Guzmán Reynoso (o Presidente Gonzalo, chefatura do PCP e da Revolução Peruana). 

O Presidente Gonzalo é o mais importante preso político hoje no mundo, segundo os revolucionários. Prisioneiro de guerra na prisão naval de Callao, localizada abaixo do nível do mar, em isolamento completo, há 28 anos. Seu encarceramento se dá de forma precária, e o seu processo caminha de forma fraudulenta. Abimael Guzmán tem acesso somente aos carcereiros da prisão e advogados escolhidos a dedo pelo velho Estado peruano e por renegados que outrora foram revolucionários, porém que capitularam e apregoam, atualmente, o fim da Guerra Popular e a incorporação ao sistema político putrefato do Peru.

Ativistas alemães realizam diversas manifestações

Na Alemanha, por ocasião do Dia dos Presos Políticos Revolucionários, houve manifestações nas cidades de Friburgo, Rust, Essen, Bremen e Hamburgo.

Em Rust e Friburgo, blocos de ativistas revolucionários levaram as reivindicações exigindo a liberdade dos presos políticos revolucionários para diversas manifestações de massa que ocorriam nessas cidades.

Em Rust, os manifestantes marcharam até onde se reuniam ministros do interior alemães na cidade, para protestar contra a reacionarização do Estado imperialista alemão. À noite, por ocasião do Dia da Heroicidade, os ativistas revolucionários realizaram a exibição de um filme sobre o movimento revolucionário no Peru. Foram discutidas a história da Guerra Popular do Peru e sua situação atual, assim como foi abordada a história do Presidente Gonzalo, sua prisão e as mentiras difundidas pela Linha Oportunista de Direita (LOD), os renegados.

Já na cidade de Essen, a manifestação foi feita em ocasião do dia 19/06 e do segundo aniversário da morte de Adel B., um imigrante de origem argelina, assassinado pelo Estado imperialista em Essen. O protesto de caráter combativo contou com 100 pessoas que se dirigiram ao bairro do falecido Adel. A família, os vizinhos do jovem assassinado e ativistas realizaram falas denunciando o Estado imperialista alemão. Em um segundo momento, foram realizadas falas sobre o Dia da Heroicidade e a luta travada pelos combatentes do PCP nas prisões da reação.

Ainda em Essen, os policiais estavam presentes em grande número, na tentativa de aterrorizar as massas e tentaram impedir a manifestação invocando leis especiais de “proteção à ordem pública”. Eles ameaçaram prender os manifestantes sob o pretexto de estarem utilizando óculos escuros, além de máscaras para a boca e nariz, não podendo ser identificados. As ações dos policiais eram continuamente denunciadas pelos organizadores da manifestação, colocando os policiais na defensiva. Quando a manifestação foi finalizada, os policiais tentaram perseguir os manifestantes que se dispersavam. Essa prática foi denunciada com firmeza e a manifestação se reagrupou para responder ao ataque. Os policiais recorreram a chutes, socos, cassetetes e valeram-se de cães adestrados. O ataque dos policiais ocorreu na principal rota de tráfego de Altendorf (bairro de Essen) e lá, também, as massas fizeram uma manifestação e denunciaram a repressão do Estado. 

Manifestação em Essen em ocasião do aniversário de morte de Adel B. e pelo Dia Internacional dos Presos Políticos Revolucionários. Foto: Dem Volke Dienen.

Em Bremen, pelo terceiro ano consecutivo, um protesto foi realizado pela "Iniciativa de Liberdade para Todos os Prisioneiros Políticos de Bremen". Na manifestação, foram destacadas as várias lutas em diferentes partes do globo que têm sofrido grande repressão por parte dos Estados reacionários. Em particular, as lutas na América Latina - o grande levante popular na Colômbia e a luta dos camponeses pobres no Brasil - foram colocadas em alto no comício. A luta pela libertação do povo palestino encontrou expressão na manifestação em falas e por meio de uma bandeira palestina.

Vários prisioneiros revolucionários foram destacados nos discursos e palavras de ordens. Sobre o Presidente Gonzalo, foi feito o chamado para que todos os presentes defendessem a sua vida. O Dr. Ernesto Sernas Garcia, do México, que foi sequestrado sem deixar vestígios pela reação há três anos atrás e George Ibrahim Abdallah - o mais antigo prisioneiro político da Europa - que está preso em Paris há 37 anos também foram mencionados. Acerca do George Ibrahim Abdallah, foi lida uma saudação à manifestação por sua libertação em Paris, que também ocorreu no dia 19 de junho.

Também foi exposta a situação e exigida a liberdade para os quatro camponeses rondonienses Ezequiel, Luis Carlos, Estefane e Ricardo, que foram presos pela Polícia Militar em uma operação ilegal no Acampamento Manoel Ribero, no Brasil. 

Manifestação em Bremen no Dia Internacional dos Presos Políticos Revolucionários ergue foto dos quatro camponeses presos em Rondônia. Foto: Dem Volke Dienen.

Em Hamburgo, um protesto foi realizado em frente ao consulado peruano no dia 18/06. A manifestação exigiu a libertação de todos os prisioneiros políticos e prisioneiros de guerra revolucionários, além de expressar solidariedade com as lutas que estão deflagradas, especialmente na América Latina. Em particular a luta popular da Colômbia e a Resistência Nacional da Palestina foram citadas. Ao mesmo tempo, foram comemoradas as lutas dos heróis caídos da Revolução Peruana.

Polícia alemã reprime apresentação do Grup Yorum pela liberdade dos presos políticos revolucionários

Em 18/06, a polícia alemã atacou um protesto pela liberdade dos prisioneiros políticos revolucionários, que contaria com uma apresentação do grupo de música popular turca, Grup Yorum, em Magdeburg na Olvenstedter Platz.

A polícia de Magdeburg, que compareceu ao evento às 15h com dezenas de carros e equipes. Eles anunciaram que iriam simplesmente proibir o show, sem qualquer decisão judicial. Ameaçaram que se o grupo musical pegasse os instrumentos e os tocasse, eles interviriam.

O Grup Yorum afirmou que não se curvaria e defenderia seu direito democrático. “Vamos cantar nossas canções, não importa o que aconteça!”, demarcaram, dando início o protesto. Em seguida, os policiais atacaram.

A energia foi desligada para evitar que as canções e falas fossem feitas nos amplificadores. Um microfone foi arrancado da mão de um apoiador durante um discurso. Muitos dos presentes ficaram feridos durante o ataque. Um tambor foi confiscado e um ativista foi levado pelos policiais. Quase 100 policiais estiveram envolvidos nesse ataque.

A polícia alemã tentou prender os membros da banda à força, mas acabou tendo que se retirar após resistência coletiva. As forças da reação cercaram o distrito de Stadtfeld-Ost até pelo menos 21h e criaram uma atmosfera de ocupação.

França: mobilizações por uma semana pela libertação de Georges Abdallah

Por ocasião da semana internacional pela libertação de Georges Ibrahim Abdallah, de 12 a 19 de junho, diversas ações aconteceram na região de Paris. Durante as atividades públicas da organização Jovens Revolucionários, foi confeccionada uma faixa exposta em um bairro operário da região de Paris, junto com cartazes clamando pela luta pela libertação de Georges Abdallah e contra o imperialismo francês na África. Por várias semanas, muitos panfletos foram distribuídos sobre a Palestina, e muitas discussões nas atividades políticas dos Jovens Revolucionários giraram em torno deste assunto.

Em 12 de junho, a Livraria Resistances cedeu espaço para a apresentação do novo livro de Saïd Bouamama sobre Georges Ibrahim Abdallah, pelo próprio autor, e a exibição do filme Fedayin, sobre a história de Georges Abdallah. A sala estava lotada após a permissão de eventos públicos em locais fechados.

Até a publicação dessa matéria (22/06), ainda não haviam sido divulgadas informações sobre a manifestação principal do dia 19 de junho.

Foto: La Cause du Peuple

USA: Ativistas realizam eventos e pichações

Em cidades dos Estados Unidos (USA) como Pittsburgh, Austin e Los Angeles, ativistas e revolucionários realizaram ações para o Dia da Heroicidade. O Comitê de Apoio ao Tribuna do Povo (Tribune of the People, em inglês) de Pittsburgh realizou uma escola popular em antecipação à data e confeccionou uma faixa que dizia: Glória ao Dia da Heroicidade, 19 de junho de 1986!

Outras ações incluíram um martelo e foice e "PCP" visto escrito em chamas em Austin em um aterro à beira da estrada. Além disso, foram feitos murais e pichações com os dizeres: Punir os culpados! Viva o Dia da Heroicidade!, Glória aos heróis do povo peruano! e Viva a Guerra Popular no Peru! Viva o Partido Comunista do Peru!

Pittsburgh, Pensilvânia 

Austin, Texas

Los Angeles, Califórnia

Evento cultural acontece na Dinamarca

Na Dinamarca, um evento cultural foi realizado entre os ativistas que assistiram os documentários People of the Shining Path (Povo do Sendero Luminoso), You Must Tell The World (tradução: ….) e o discurso do Presidente Gonzalo de 1992.

Foto: socialistiskrevolution.wordpress

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin