Tunísia: Massas protestam contra a violência policial em bairros operários

Diversos protestos eclodem por mais de uma semana em Tunis (capital) depois que um vídeo amplamente divulgado mostrou a polícia espancando e tirando a roupa de um jovem, que mais tarde morreu devido aos maus-tratos, na capital tunisiana no dia 8 de junho.

Os manifestantes se reuniram em Ettadhamen e Intilaka - entre os distritos mais pobres da capital - no dia 16/06, bloquearam estradas, queimaram pneus e responderam às perseguições, detenções arbitrárias e bombas de gás lacrimogêneo dos policiais com pedras.

Um dia antes, centenas de pessoas se reuniram em Sidi Hassine com palavras de ordem contra o governo de turno e exigiram o fim da violência policial. Eles entoavam: Liberdade, liberdade, o estado policial acabou!.

Nos três dias seguidos ao assassinato, centenas de jovens se mobilizaram contra o assassinato nas ruas de Tunis. As forças de repressão responderam com brutalidade, disparando gás lacrimogêneo e detendo vários manifestantes na área de Sidi Hassine, nos arredores da capital tunisiana. Ao passo que a luta contra a violência policial seguiu ininterrupta ao longo do período.

No início do dia 12/06, ativistas e residentes de bairros operários protestaram em frente ao Ministério do Interior. A reivindicação das massas rebeladas era o fim da violência policial nos bairros pobres da Tunísia.

Entre elas estavam as mães de três jovens que morreram nos últimos três anos após terem sido presos. As mães denunciam que seus filhos foram presos arbitrariamente em resposta às manifestações contra a brutalidade do velho Estado tunisiano.

Mesmo após o vídeo ter viralizado nas redes do país, o ministério do governo negou que o jovem tivesse morrido devido à tortura que fora submetido durante o momento de sua prisão.

A família da vítima afirma que o assassinato é resultado do espancamento realizado pela polícia.

Estatísticas dão conta de que pelo menos 2.000 pessoas foram presas desde a primeira série de protestos em 2021 contra a violência policial no país, no início de janeiro.

Em sua maioria, os presos eram menores de idade. Organizações de “direitos humanos” disseram que centenas deles foram submetidos a maus-tratos e torturas.

Como já havia sido dito por AND em 2011: “O povo local segue em luta por uma democracia verdadeiramente popular, que por certo não é a do mesmo Estado burocrático tunisiano de sempre, apenas com nova máscara, já de acordos renovados com o imperialismo.”

Manifestantes são espancados pela polícia na Tunísia. Foto: Yassine Gaidi

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin