Líbano: Massas tentam atacar o Banco Central contra miséria; 10 soldados ficam feridos

Jovens libaneses queimam pneus para bloquear uma rodovia principal na área de Jal Dib, a leste da capital Beirute, enquanto protestam contra as condições de vida desastrosas do país, em meio à crise econômica e política em curso. Foto: AFP

Grandes protestos eclodiram no Líbano, no dia 26 de junho, após a decisão do governo de reduzir ainda mais o valor da moeda nacional já em queda, beneficiando as classes dominantes e aprofundando a miséria do povo. Durante os protestos, manifestantes tentaram invadir o Banco Central e dez soldados ficaram feridos, ao total.

O Banco Mundial descreveu a crise no Líbano como uma das piores que o mundo já testemunhou em 150 anos e, no dia 26, sua moeda bateu um recorde de baixa, chegando a 18.000 libras libanesa ao dólar americano. A libra perdeu mais de 90% de seu valor desde que a crise atingiu seu pico, há 20 meses atrás. 

Diante da miséria agônica, escassez de produtos vitais, incluindo combustível, remédios e produtos médicos, o povo libanês tem se rebelado.

Massas combatem em meio à crise

Manifestantes em motocicletas lançaram granadas contra soldados em Trípoli, cidade mais pobre do país. Na mesma cidade, manifestantes realizaram ataques com pedras. A ação resultou em dez soldados feridos. Os manifestantes também atacaram várias instituições estatais da cidade.

Manifestantes também incendiaram a entrada de um escritório do governo e outros tentaram invadir as casas de dois políticos, mas foram impedidos pelas forças de repressão.

O exército reacionário, no país, vem sendo financiado pelo imperialismo ianque como um “baluarte crítico” contra o Hezbollah. Em dezembro de 2019, por exemplo, o USA enviou mais de 105 milhões de dólares em assistência militar ao Líbano, mas desde o ano de 2006 já foram fornecidos mais de 1,7 bilhão de dólares às Forças Armadas do Líbano (LAF, na sigla em inglês), segundo o monopólio de imprensa The Washington Post. Esses fundos equiparam as LAF com aeronaves, artilharia, armamento e munição ianques, além de treinamento e “apoio consultivo”  aos militares.

Banco Central é exposto em esquema de corrupção

Já no final de 2019 a crise havia atingido um nível ainda superior, quando revelou-se que o Banco Central do país administrava um “esquema Ponzi” (tipo de esquema de pirâmide financeiro), em que pegava dinheiro emprestado dos bancos (principalmente estrangeiros, elevando a dominação imperialista sobre o país) a taxas de juros maiores que as do mercado para pagar as dívidas do velho Estado. Em outubro, uma escassez de moeda estrangeira levou a libra libanesa a perder valor em relação ao dólar, chegando ao ponto dos importadores de trigo e combustível exigirem pagamento em dólares. 

O país foi, então, tomado por manifestações de milhares de massas libanesas que levaram à renúncia do então primeiro-ministro, Saad Hariri, que contava com o apoio do imperialismo ianque e francês. Após a sua renúncia, se mudou com a família para Paris a pedido de Macron. 

Seu pai, Rafik Hariri, um magnata libanês e, por duas vezes, primeiro-ministro do país, teve um papel central na política de precarização das condições de vida e dos serviços básicos desde a década de 1990.

É contra a mesma situação de falência do velho Estado libanês e de suas instituições, já carcomidas pela corrupção, como o Banco Central, que as massas hoje continuam a se rebelar contra.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin