Flor de Jacinto: monólogo a luta popular

Capa da música “Aguilhões” da Flor de Jacinto. Foto: Juvenil Silva

Flor de Jacinto é cantora e compositora de MPB e folk rock oriunda do município de Escada, Zona da Mata Sul de Pernambuco. Ela tem como principais referências os artistas Geraldo Azevedo, a banda Ave Sangria, Milton Nascimento e entre outros. Lançou sua primeira gravação "Aguilhões" em junho de 2020 pelo selo El Toboso que está disponível no YouTube. Recentemente, Jacinto compôs o line-up de festivais como o Abril pro Rock e Sonora Olinda, se destacando pela experimentação musical com ênfase na música popular que se funde as letras críticas da cantora a realidade social. 

 Meu primeiro contato com a música foi através do meu pai, pedreiro e tocador. Passei parte da infância e adolescência cantando e tocando violão na igreja do bairro vizinho ao meu em Escada. Aos 18 anos me mudei para Paulista, região metropolitana do Recife. Fui com minha avó, tio e primo morar próximo a capital para conseguir ter mais acesso às unidades de saúde e também apoio dos nossos parentes que moravam lá. Quando perdi meu primeiro emprego informal, comecei a trabalhar com minha arte tocando em bares em 2019 e me apresentando em eventos na cidade de Abreu e Lima. Meu repertório era composto de covers, mas sempre encaixava uma música autoral no meio para conseguir divulgar meu trampo.

A nossa diversa cultura popular é reverenciada na minha arte como uma forma de manter viva nossa história construída pelo povo preto, indígena e menos favorecidos desde a existência desse nosso lugar como uma colônia até hoje como conhecemos, o Brasil. - diz Jacinto.

— Acho que uma composição pode ou não conscientizar. Mas independente disso, a realidade, as emoções, tristeza e alegria, as lutas e as vitórias devem ser captadas e expostas na arte como sempre foram na música que emana do povo, ou seja, o nosso folclore, a nossa expressão que vem de "baixo". Me declaro mulher preta e índia. Ao passo que faço minha arte, reafirmo meu lugar no mundo, minha história ancestral, quem sou - expõe a cantora sobre a importância da mensagem dentro de uma composição, e continua: - A música no Brasil, quando não é elitizada, é uma manifestação no estilo "bola de neve" industrializada. O pão e circo sugerido pelo próprio povo desvirtuado da sua identidade real é entregue. Assim, de mês e mês vemos surgir um novo hit de sertanejo ou forró estilizado de acordo com o que estiver na moda sem nenhuma preocupação em preservar nossa história.

Em “Aguilhões” Jacinto faz uma analogia da luta cotidiana que o nosso povo enfrenta com a perseguição sofrida pelos flagelados cristãos da bíblia, ironizando com as seitas neopentecostais que compõem as quarteladas do bolsonarismo.

 "Saulo, Saulo, por quê me persegues? Duro é para ti recalcitrar contra os aguilhões" pergunta o personagem revolucionário e contestador da sociedade de sua época, Jesus, a Saulo de Tarso presente na bíblia cristã no livro de Atos dos Apóstolos. Saulo era perseguidor do movimento cristão e cobrador de impostos. Aguilhões é uma tentativa de recriação do que Saulo poderia ter pensado naquele momento na sua condição de pau mandado das autoridades, conivente com a violência para com os menos favorecidos naquela época, jogando do lado oposto da história. Mas o que o Jesus lhe mostra é que, tanto ele quanto aos que ele oprimia, estavam no mesmo barco. Nos dias de hoje, fazendo essa analogia na letra que na sua estrutura é um monólogo vindo de um indivíduo que seria o Saulo de Tarso dos dias atuais, esses novos "Saulos de Tarso" que dizem "duro é para mim" são os negacionistas, os conformistas, os entreguistas, os não empáticos, egoístas, os que perseguem movimentos sociais e políticos que incentivam a igualdade entre todos, a divisão de recursos e terras de forma justa; os que sempre põem em primeiro lugar o aguilhão apontado para o próprio pescoço como se fosse um troféu meritocrático. A diferença desse Saulo da mitologia cristã para os de hoje é que pouco se constata a luz da consciência vinda sobre esses indivíduos. Eles sentem o peso do sistema capitalista prestes a agonizar sobre os ombros e conseguem parcelar sua dor em 10x no cartão sem acordar. Ignorando entre plumas a violência policial que não os afeta, o descaso que estamos presenciando com o meio ambiente, a fome gritante da população menos favorecida. Capazes de eleger um governo entreguista e genocida e se orgulham disso. Mas duro é para esses que promovem o ódio e o genocídio resistirem a um jato de spray de pimenta no rosto e permanecerem de pé.  expõem a artista fazendo referência aos manifestantes que resistiram bravamente aos ataques fascistas da polícia na manifestação do dia 29 de Maio em Recife.

 Denuncio em Aguilhões o negacionismo da miséria e da violência. Com alguma esperança, acredito que quando as pessoas entenderem que estamos todos no mesmo barco, o Brasil sairá desse estado de divisão ideológica de extremos e entenderemos quem realmente tem o poder: o povo.

Aguilhões

Duro é para mim resistir sob a espada

Recalcitrar contra os aguilhões

E à intocável sacola com prata,

Àquele intocável

Me dando doces que eu terei

Certamente que devolver

No próximo mês

Caixões para comprar e vender dinheiro

Bancos para embalar corpos

E há quem não negue o próprio instinto

Ninguém padece por não ter dinheiro.

Uma dose de alegria para cada cano quente?

Ou um osso para cada um de seus cães?" — dizia uma mente como pluma ao próprio corpo, ignorando o grito da fome.

Ouça agora:

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin