Tailândia: Povo se rebela e enfrenta as forças de repressão exigindo vacinação em massa

Manifestantes disparam fogos de artifício contra as forças de repressão no dia 7 de agosto. Foto: Cory Wright

As massas de Bangkok, capital da Tailândia, empreenderam manifestações combativas nos dias 7 e 10 de agosto, em que marcharam, nos dois dias, cerca de mil pessoas para protestar contra a lenta vacinação do povo contra a Covid-19 pelo governo tailandês e contra o fechamento de pequenos negócios durante a crise do capitalismo burocrático, aprofundado pela pandemia. Os manifestantes praticaram sua autodefesa contra as agressões das forças de repressão e tentativas de dispersar os protestos e atacaram cabines policiais.

Apenas cerca de 6% da população da Tailândia, de mais de 66 milhões de habitantes, foi totalmente vacinada e a maior parte das cidades do país, incluindo Bangkok, se encontra em toque de recolher noturno. Reuniões de mais de cinco pessoas estão atualmente proibidas, principalmente para desmobilizar os protestos populares que ocorrem desde o ano passado, quando o povo se levantou contra a monarquia e o governo militar.

Diante disso, as mais de mil pessoas que protestavam no dia 10/08 foram reprimidas pela polícia de choque, que disparou canhões de água, balas de borracha e gás lacrimogêneo contra os manifestantes.

Em resposta à tentativa de acabar com o protesto, manifestantes resistiram. Duas cabines de polícia foram incendiadas e alguns manifestantes atiraram fogos de artifício e bombas contra os policiais, que antes haviam lançado canhões de água, balas de borracha e gás lacrimogêneo contra a multidão.

Pelo menos seis policiais ficaram feridos durante os confrontos. Um policial foi baleado na perna e outros três foram atingidos por estilhaços de uma bomba caseira, segundos informações fornecidas  pela polícia.

Além disso, os manifestantes jogaram sangue de porco na fachada da Sino-Thai Engineering and Construction – uma empresa que possui ligações com o ministro da Saúde Pública. Eles também atacaram a King Power, um monopólio isento de impostos que é conhecido por conta de seu apoio ao governo de turno.

Piya Tawichai, vice-comissário do Escritório de Polícia Metropolitana, disse aos monopólios de imprensa locais, logo após os confrontos daquele dia, que "os manifestantes usaram violência e várias armas, como pedras, tijolos, pontas de ferro afiadas, fogos de artifício, e bombas de pingue-pongue para agredir a polícia de forma gradual".

Manifestantes fazem barricada de cones em Bangkok, no dia 10 de agosto de 2021. Foto: Soe Zeya Tun

Já no dia 07/08, cerca de cem policiais com equipamento antimotim isolaram uma estrada perto do Monumento da Vitória na capital Bangkok com contêineres e usaram canhões de água, gás lacrimogêneo e balas de borracha para impedir a marcha da manifestação multitudinária em direção à Casa do Governo, o gabinete do primeiro-ministro Prayuth Chan-ocha.

Dezenas de manifestantes foram vistos sendo carregados em motocicletas e ambulâncias. O Centro Médico de Emergência Erawan disse que pelo menos dois civis e três policiais ficaram feridos.

"Aom", um manifestante de 23 anos, que deu seu primeiro nome apenas por medo de represálias, afirmou ao monopólio de imprensa Reuters: "Não temos empregos e renda, então não temos escolha a não ser protestar."

Manifestantes se defendem da polícia com estilingues, em 7 agosto de 2021. Foto: Cory Wright

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin