Argentina: Milhares marcham contra a crise e o desemprego em Buenos Aires

Milhares se manifestam contra a crise e o desemprego em Buenos Aires, no dia 18 de agosto. Foto: Demian Alday Estevez

Milhares de manifestantes marcharam em Buenos Aires, capital da Argentina, no dia 18 de agosto exigindo a criação de postos de trabalho e rechaçando a imposição de medidas anti-povo pelo governo de turno oportunista de Alberto Fernández. As massas de trabalhadores organizaram passeatas que tomaram as principais avenidas da cidade, como a avenida 9 de julho. Durante o percurso, ergueram barricadas de pneus em chamas.

O protesto terminou no Ministério do Desenvolvimento Social, no centro da cidade de Buenos Aires. Durante a marcha,os manifestantes rechaçaram o papel conciliatório dos “programas sociais” do governo, ao invés de empregos e salários dignos. As massas relatam que os salários se encontram abaixo da linha da pobreza, que as pensões dadas pelo velho Estado são de miséria, e que os programas sociais não cobrem nem o valor da cesta básica.

Além disso, os trabalhadores em luta se mostraram desacreditados de que a mudança do ministro de desenvolvimento social vá mudar alguma coisa.

Massas lutam diante da crise

As massas continuaram a ser golpeadas durante o período da pandemia, junto da crise do capitalismo burocrático. Nesse meio tempo, trocou-se o governo de turno para o de Alberto Fernández, que é hoje quem aplica as medidas econômicas e repressivas pelas quais o povo padece.

A Argentina registrou uma inflação anual de 51,8% em julho passado e a taxa de desemprego subiu de 8,9% no mesmo período do ano de 2019 para 11% no quarto trimestre de 2020. A pobreza aumentou para 42%, de quase 45.8 milhões de pessoas, ou seja, cerca de 19.2 milhões de pessoas. A economia sofreu a segunda queda mais profunda desde 2001 -  de 9,9% - no ano passado, acumulando três anos em recessão.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin