Chile: Indígenas defendem direito à terra em multitudinária manifestação

Marcha mapuche multitudinária em defesa do direito à terra. Foto: Agência UNO

Povos indígenas chilenos marcharam no coração de Santiago, capital do Chile, em uma manifestação que contou com mil pessoas e que defendia o direito sagrado à terra desses povos, apoiava a retomada de suas terras e defendia sua autonomia. O protesto aconteceu no dia 10 de outubro, na praça tradicional de manifestações, a Praça da Dignidade.

Os povos originários Mapuche, que compõem 85% da população indígena chilena, compuseram massivamente a marcha. Cerca de 12,7% da população chilena é indígena (mais de 2 milhões de pessoas segundo dados do censo de 2017, sendo que a população chilena tem 19 milhões).

Durante a manifestação, foram observados cartazes com palavras de ordem como Liberdade aos presos políticos!, em referência aos presos políticos Mapuches trancafiados nas masmorras do velho Estado chileno por lutar por suas terras e direitos. Também podiam ser vistas as palavras de ordem Wallmapu (território Mapuche) livre!, Eles não vão deter nossa legítima luta! e Mais de 500 anos de luta! 

Sobre a criminalização de sua justa luta, um Mapuche denunciou os partidos eleitoreiros do Chile de criminalizar os Mapuches com a narrativa fabricada de envolvimento com o “narcoterrorismo” e “terrorismo”, em entrevista ao monopólio de imprensa Efe. Tudo isso com a intenção de perseguir e reprimir os povos e massas chilenas. 

À medida que a marcha avançava em direção à Alameda, principal avenida de Santiago, a polícia chilena tentou dispersar o protesto com um forte contingente de tropas apoiadas por canhões de água e gás lacrimogêneo. Os manifestantes responderam com paus e pedras em confrontos que duraram pelo menos 40 minutos.

Mais de 17 agentes de repressão saíram feridos e cerca de 10 manifestantes indígenas foram detidos por “desordem”.

Os Mapuche já perderam mais de 95% de seu território em relação ao período colonial. Hoje em dia suas terras originárias são tomadas por empresas monopolistas florestais. Elas realizam atividades extrativistas e criam os chamados “desertos verdes” (plantação de árvores destinadas à extração e exploração apenas, que destroem o ecossistema). Há também a atuação de latifúndios monocultores de diversos outros tipos.

Além da usurpação das terras Mapuche, a condição de vida na região é drasticamente afetada, com a distribuição de água aos indígenas e camponeses impossibilitada pelo latifúndio, que barra o acesso à água e pratica o envenenamento das águas. A prioridade da exploração extensiva da terra para a exportação afeta a quantidade de água disponível para a população. 

A autodeterminação 

Em entrevista do jornal revolucionário e democrático chileno El Pueblo com mapuches do lof (forma básica de organização social do povo Mapuche, constituída por um clã) Temucuicui, cidade de Ercilla, a comunidade afirma que o forte controle territorial e na recuperação do território é a estratégia para alcançar o objetivo da autodeterminação, “construindo e recompondo o tecido social mapuche e avançando na libertação mapuche”, fora de todos os níveis de controle do velho Estado e dos partidos políticos eleitoreiros.

A nova constituinte

As manifestações dos povos indígenas acontecem ao mesmo tempo que a já falida Nova Constituinte chega à sua conclusão. A constituinte foi presidida pela acadêmica mapuche Elisa Loncon e 17 de seus 155 membros são representantes de 10 povos indígenas. Ela foi proposta como solução para as reivindicações da rebelião popular iniciada em 2019, e configuram um novo pacto entre as classes dominantes. 

As massas mais profundas, entretanto, já deram mostra de não ver, no papelucho de nova constituição, o fim de seus problemas. Os povos indígenas continuam a travar combativas manifestações pelo seu direito à terra, integrando-se a luta das massas em geral contra o capitalismo burocrático, o imperialismo e suas crises. 

No dia 18 de outubro, comemorou-se os dois anos da grandiosa rebelião popular com um amplo protesto das massas. Elas continuam a protestar contra a carestia, o desemprego, os sistemas de aposentadoria, a saúde precária, entre outros problemas frutos do velho Estado chileno e de seu atrasado capitalismo burocrático que salvaguardam os interesses do imperialismo principalmente ianque, assim como da grande burguesia chilena e dos senhores de terra.

Indígenas resistem à intervenção militar

No dia 12 de outubro, o presidente ultrarreacionário do Chile, Sebastián Piñera, declarou estado de emergência em parte do sul do país, para recrudescer o uso da força policial e militar contra a luta indígenas mapuche.  

O decreto se aplica aos distritos de Biobío, Arauco, Cautín e Malleco, na chamada Macrozona Sul, localizada a aproximadamente 800 km da capital, Santiago.

O texto autoriza as Forças Armadas a colaborarem com a polícia militar (chamada no Chile de “carabineros”) e com “autoridades civis” em ações “que se vinculem com a prevenção do porte, da posse e do tráfico ilícito de armas de fogo, a criminalidade organizada, o narcotráfico e o terrorismo”.

Isso tem como principal intenção evitar e reprimir a ferro e fogo qualquer levantamento armado para defender seus territórios ou para retomar outros. Tentando associar os povos originários ao “narcotráfico” e criminalizá-los como “terroristas”.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin