Congresso nacional de professores do ensino superior denuncia cerco policial em Rondônia

Professores das Instituições de Ensino Superior do Brasil, reunidos no 13º Congresso Extraordinário (13º Conad) promovido pelo Andes - Sindicato Nacional que ocorreu nos dias 15 e 16 de outubro, manifestaram total repúdio a violência perpetrada pelo estado de Rondônia junto ao governo militar do fascista Bolsonaro e generais, que criminaliza a luta pela terra e utiliza do aparato de repressão em uma grande operação de cerco contra as Áreas Revolucionárias Tiago Campin dos Santos e Ademar Ferreira, na zona rural de Porto Velho, em Rondônia.

Na moção intitulada “Repúdio aos ataques de forças repressivas de Rondônia a camponeses em luta pela terra”, os professores denunciam o cerco criminoso e repudiam a utilização de efetivos da Força Nacional e da Polícia Federal, oriundos do Ministério da Justiça e da Segurança Pública, que agem em conjunto com paramilitares que atuam como pistoleiros das fazendas Norbrasil e Santa Carmem e tem realizado inúmeros abusos – ameaças, espancamentos e torturas de camponeses da região – e contra as mais de 800 famílias que vivem e trabalham em suas posses nessas áreas camponesas. 

Os docentes denunciam também chacina ocorrida dois meses atrás no mesmo distrito, onde foram assassinados três camponeses: Amarildo, Amaral e Kevin,  e afirmam que um novo ataque se anuncia em meio a uma ordem de despejo em benefício do latifundiário e grileiro Antônio Martins, o “Galo Velho”, emitida no final de setembro.

O documento foi aprovado por unanimidade pelos docentes que representavam diversas seções sindicais de professores das Instituições Federais e Estaduais de Ensino Superior em todo país. Destinada ao governo do estado de Rondônia, Ministério Público Federal/Rondônia (MPF/RO) e a Liga dos Camponeses Pobres (LCP), a moção já circula nacional e internacionalmente.

A moção conclui com o chamamento com as consignas Todo apoio aos camponeses do Acampamento Tiago dos Santos e Ademar Ferreira em luta pela terra no Estado de Rondônia!, Lutar não é crime!, Terra para quem nela trabalha!

Leia o documento na íntegra.

Foto: Andes

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin