México: Polícia e Guarda Nacional reprimem brutalmente protesto operário

A polícia e a Guarda Nacional atacaram operários mexicanos que protestavam, pelo segundo dia, em 13 de outubro, na Refinaria Dos Bocas em Tabasco, contra o monopólio ICA Flour, contra o atraso e desconto de seus salários, realizados de forma arbitrária. Foram lançadas bombas de gás lacrimogêneo e pelo menos quatro operários foram atingidos por bala de borracha, sendo um no olho.

As manifestações dos operários começaram no dia 12/10, data em que Cristóvão Colombo desembarcou na América, em referência à luta travada pelos povos indígenas contra o colonialismo espanhol.

A ICA Flour, por sua vez, é uma subsidiária do Grupo Carso, de propriedade de Carlos Slim, um dos homens mais ricos do mundo. Slim possui fortes ligações com o partido do governo de turno, o Movimento Regeneração Nacional (Morena).

O presidente do México, o oportunista Andrés Manuel López Obrador, dissimula os reais motivos dos protestos e argumenta que eles são feitos por "líderes de sindicatos” que estariam “brigando por mais dinheiro”.

O que são os megaprojetos?

As massas mexicanas têm lutado incansavelmente contra todos os megaprojetos impostos pelo imperialismo, como o Projeto Morelos Integral (gasoduto que cruzaria três estados), o Trem Maia (ferrovia que atravessaria a península de Yucatán), o Corredor Interoceânico do Istmo de Tehuantepec (ferrovia), a Refinaria Dos Bocas, entre outros. 

Ao contrário do que argumentam os burocratas que promovem desde o velho Estado esses megaprojetos e os imperialistas que os impõem e deles necessitam, esses projetos não configuram melhora alguma às massas locais, nem avanço para o país. Eles são, na realidade, projetos que servem à exportação de produtos e capitais da semicolônia mexicana, e ao auxílio à economia imperialista com o transporte desses produtos para o estrangeiro.

Todos esses projetos ocorrem durante o programa da “quarta transformação” (4T) de López Obrador, em que o oportunista voga acabar com os “abusos dos privilegiados” (casta de burocratas do velho Estado). Todas essas medidas do governo de Obrador tem por objetivo reimpulsionar o capitalismo burocrático no México.

Massas rechaçam os interesses do imperialismo!

As massas de operários e camponeses mexicanos se organizaram ao longo destes últimos dois anos de governo, criando unidade para ação em comum e declarando resistência contra o velho Estado.

Em cada território onde os megaprojetos foram realizados, as massas rechaçaram através da organização de marchas, bloqueios de estradas, ocupação de prédios dos megaprojetos, foros e ações legais.

Velho Estado e imperialistas assassinam o povo

O último episódio de repressão contra os trabalhadores em luta foi o mais recente de uma longa lista, apenas dentro do governo de quase três anos “4T”. 

Em 10 de outubro de 2021, no estado de Oaxaca, houve a detenção arbitrária da professora de educação indígena Micaela Valdivieso Joaquín, membro da Seção XXII do SNTE-CNTE e da União das Comunidades Indígenas da Zona Norte do Istmo, assim como de seu filho Eberh Muñóz, ambos ativistas contra o Corredor Interoceânico do Istmo de Tehuantepec.

No mesmo estado, em 20 de setembro de 2021, em Oaxaca, aconteceu a prisão arbitrária do ativista Salvador Pinal Meléndez, membro do Corriente del Pueblo Sol Rojo e do Comitê de Defesa da Terra "Não mais imposições", oponente do Corredor Interoceânico do Istmo de Tehuantepec.

Em 11 de abril de 2019, foi assassinada a liderança comunitária de Oaxaca Luis Armando Fuentes Aquino, membro do Corrente do Povo Sol Vermelho e da Comissão em Defesa da Terra. Luis Armando era militante contra o Corredor Interoceânico do Istmo de Tehuantepec e ativista da Resistência Civil contra os altos preços da eletricidade.

Em fevereiro de 2019, foi assassinado o ativista Samir Flores Soberanes, membro da Frente Popular em Defesa da Terra e da Água de Morelos, Tlaxcala e Puebla, que lutava contra o Projeto Morelos Integral e da Usina Termoelétrica de Huexca.

Em Chiapas, setembro de 2021, foi assassinado o ativista “Companheiro Domingo”, do Exército Zapatista de Libertação Nacional, organização contrária ao Trem Maia.

A organização Corrente do Povo Sol Vermelho afirma que isso configura uma guerra de baixa intensidade contra o povo e exige o fim a repressão contra as massas e punição aos que a executam, além do cumprimento com as exigências trabalhistas dos trabalhadores e a defesa do seu direito de ir contra seus patrões e sindicatos oportunistas.

Demandam também o cancelamento de todos os megaprojetos do imperialismo, liberdade para Salvador Pinal Meléndez e justiça para Luis Armando Fuentes Aquino.

Veja aqui as imagens do dia do protesto:

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin