Organizações populares promovem campanha para custear despesas dos presos políticos do Acampamento Manoel Ribeiro

O Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos  (Cebraspo) e a Associação Brasileira dos Advogados do Povo (Abrapo), realizam campanha de arrecadação para custear as despesas dos presos políticos Estefane, Luis Carlos, Ezequiel e Ricardo. Segundo advogados, o poder judiciário de Rondônia está mantendo injustamente presos desde o mês de maio, os estudantes e trabalhadores que lutavam pelo acesso democrático à terra, por moradia e alimentação adequada.

A Abrapo e Cebraspo vem custeando os gastos referentes aos processos nos últimos meses, cerca de 570 reais por mês. Advogados e apoiadores mensalmente vão à cidade de Vilhena, em Rondônia, entregar aos presos políticos os mantimentos e produtos de higiene permitidos pelos presídios.

De acordo com as entidades, os familiares dos presos políticos não podem contribuir por estarem em situação de vulnerabilidade social e financeira. Segundo os organizadores da campanha, todo o valor arrecadado será investido na compra de produtos de higiene, alimentos e demais necessidades dos presos políticos enquanto permanecem em cárcere.

Sob a consiga: Abaixo a Criminalização da Luta pela Terra! Terra para quem Nela Vive e Trabalha! Liberdade imediata para Estefane, Luis Carlos, Ezequiel e Ricardo!, os organizadores pedem a contribuição de todos que se solidarizam com a causa e com a luta dos presos políticos, a luta pela terra no Brasil. A doação é realizada via pix, chave: 69-992201420.

O Acampamento Manoel Ribeiro

Em agosto de 2020, camponeses pobres, sem terra ou com pouca terra, unidos à uma massa de desempregados, organizados pela Liga dos Camponeses Pobres (LCP) iniciaram o Acampamento Manoel Ribeiro empreendendo a histórica retomada das últimas terras de Santa Elina ainda nas mãos dos latifundiários. Ali há 26 anos, havia ocorrido a histórica Resistência Armada Camponesa de Corumbiara, onde o que era para ser um massacre das forças reacionárias contra os camponeses, virou a heróica batalha. 

Após mais de 10 meses de resistência à diversos ataques e tentativas de despejo e em meio a um ilegal cerco militar que preparava um massacre, as famílias se retiram e declaram: Voltaremos mais fortes e mais preparados!.

A injusta prisão

A prisão dos jovens ocorreu no dia 14 de maio de 2021, após policiais invadirem o Acampamento Manoel Ribeiro. Sob alegação de troca de tiros, atacaram covardemente dez camponeses e prenderam os outros quatro. 

A defesa, porém, solicitou os vídeos gravados pelas câmeras das viaturas e pelo drone da Polícia Militar (PM) durante a operação ilegal. De acordo com as imagens não houve nenhum confronto. Quando os camponeses viram as viaturas chegando, apenas soltaram fogos de artifício a longa distância e se retiraram.

Os vídeos comprovam também que os trabalhadores não quebraram estes aparelhos nem as viaturas, os danos aconteceram devido à invasão brusca ao pasto cometida pela própria polícia.

As imagens do vídeo só foram anexadas poucas horas antes do julgamento, o que impossibilitou os advogados de defesa de explorarem as evidências a favor dos camponeses. Os depoimentos dos policiais foram contraditórios. Mesmo com todas as evidentes provas da farsa montada para criminalizar a luta camponesa através da prisão dos quatro jovens, a revogação das prisões preventivas foi negada.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin