Estudantes fazem atos nacionais contra cortes de verbas e atraso no pagamento de bolsas [atualizado em 03/11 ás 16h50]

Estudantes e professores de várias universidades do país fizeram atos no dia 26 de outubro para exigir o pagamento de suas bolsas. Os atos foram convocados por estudantes que estão sem receber. Diferentes organizações se uniram ao chamado, entre elas a Executiva Nacional dos Estudantes de Pedagogia (ExNEPe).

Desde o início de outubro mais de 60 mil estudantes estão sem receber o pagamento das bolsas do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid) e da bolsa de Residência Pedagógica (RP). Os dois programas são destinados a estudantes que estão se formando para ser professores.

A manifestação foi convocada nacionalmente para dar resposta aos ataques obscurantistas do governo militar genocida de Bolsonaro e generais contra a educação, sendo o mais recente o não pagamento das bolsas do PIBID e RP, colocando os estudantes que dependem dessa verba, principalmente os mais pobres, em condições cada vez mais precárias.

São Paulo

Em ato na avenida Paulista, estudantes levam faixa denunciando o corte de verbas na Educação promovido pelo governo militar genocida de Bolsonaro/generais. Foto: Banco de Dados AND

Em São Paulo, nesse dia, estudantes, professores, pesquisadores e demais trabalhadores da educação se concentraram na avenida Paulista, no centro da capital, para protestar contra os cortes de verbas e contra os atrasos no pagamento de bolsas dos programas PIBID e RP.

Durante o ato, os manifestantes ergueram uma faixa com os dizeres: Contra os cortes de verbas na Educação! Também foram distribuídos panfletos para os presentes na manifestação e para os trabalhadores que transitavam pela avenida. O documento foi produzido pela Executiva Nacional de Pedagogia (ExNEPe) e denunciava os cortes na educação pública, o risco de fechamentos das universidades federais e o atraso no pagamento das bolsas. 

Os manifestantes denunciaram o corte de 87% no orçamento do Ministério da Ciência feito pelo governo genocida e pelo Congresso Nacional. Os presentes no ato repudiaram Bolsonaro e os generais e denunciaram o caráter obscurantista e negacionista do seu governo, que ataca recorrentemente a ciência, a fim de mascarar e justificar o genocídio praticado durante a pandemia de Covid-19. Genocídio este que foi maquiado de negligência e que já ceifou a vida de mais de 600 mil brasileiros.

Ainda durante o ato, representantes da ExNEPe fizeram falas de agitação contra a imposição do Ensino à Distância (EaD) e disseram que tal implementação busca abrir caminho para a privatização das instituições públicas de ensino. Os estudantes também defenderam a luta presencial e combativa.

Panfletos da ExNEPe foram distribuídos por ativistas para participantes do ato e para trabalhadores que passavam pela avenida. Foto: Banco de Dados AND.

Pernambuco

Em Recife, na noite de 26 de outubro, estudantes com cartazes e faixas interditaram duas faixas da BR-101, próximo à Reitoria da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) para exigir o pagamento imediato das bolsas do Pibid e RP. Os manifestantes foram reprimidos arbitrariamente pela Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Demonstrando revolta, os estudantes fecharam a rodovia entoando palavras de ordem como Barrar a precarização com Greve de Ocupação. A manifestação ocorreu após estudantes independentes articularem-se para organizar o ato presencial. Contando com a participação de cerca de 30 estudantes, a manifestação ocorreu de maneira vitoriosa. Durante o ato, houve o fechamento da rua com pedras e galhos.

Após o fechamento da via, a  PRF chegou ao local e, antes de qualquer tentativa de diálogo, tentou dispersar os manifestantes com spray de pimenta e intimidações. Os policiais, contudo, foram prontamente rechaçados pelos ativistas que, antes de se dispersarem, entoaram a palavra de ordem Voltaremos mais forte e mais preparados!, mesma palavra de ordem utilizada pelos camponeses do Acampamento Manoel Ribeiro, em Rondônia, quando da campanha de cerco e invasão promovida pela Polícia Militar (PM) de Rondônia em maio de 2021.

No dia 26 de outubro, estudantes fecharam rodovia em Pernambuco durante ato nacional contra os cortes de verbas e bolsas. Foto: Banco de Dados AND

Paraíba

Em Campina Grande, no mesmo dia, estudantes e professores da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), na Paraíba, se reuniram em frente ao Centro de Desenvolvimento Sustentável do Semiárido (CDSA) para realizar um ato exigindo o pagamento das bolsas do Pibid e RP.

Leia Também: Estudantes exigem o pagamento das bolsas: 'Contra os cortes, fortalecer a luta presencial e ocupar escolas e universidades!

Durante o ato, os manifestantes exibiram faixas e cartazes contra os cortes de verbas na educação e pelo imediato pagamento das bolsas do Pibid e RP. Palavras de ordem como: Pela ciência e educação! Não abrimos mão da nossa bolsa, não!, Derrubar os muros da universidade! Servir ao povo no campo e na Cidade!, Nossa LeCampo é pra lutar! O imobilismo não vai nos derrubar! também foram entoadas.

Os estudantes também discursaram em defesa da universidade pública, exigindo a reabertura das universidades e se posicionaram contra o governo genocida, negacionista e privatista de Bolsonaro/generais. Os manifestantes afirmaram ainda que as instituições de ensino precisam estar a serviço do povo e da ciência.

Estudantes da UFCG também fizeram parte dos atos nacionais contra os cortes de verba e bolsas. Foto: Reprodução

Paraná


Em Laranjeiras do Sul, estudantes do curso de Pedagogia da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) organizaram um ato dentro da universidade para exigir o pagamento das bolsas do Pibid e RP.

Os ativistas da educação organizaram uma aula pública, em que o professor coordenador do programa Pibid, Luiz Carlos de Freitas, fez uma análise da situação política atual. Já a professora pedagoga Rosane Toebe Zen falou sobre a realidade das escolas no Brasil e em Laranjeiras do Sul. A docente explicitou a importância dos Programas na instituição, dado que ela fica localizada em uma área periférica onde os estudantes são em sua maioria filhos do povo trabalhador e pobre.

Também foi apresentado, durante o ato, o espetáculo teatral Os saltimbancos, que concilia uma proposta pedagógica, ao introduzir a reflexão de valores, união e solidariedade, com a proposta política, colocando a necessidade da união e organização das pessoas (no caso dos animais, por analogia) contra a exploração e em prol da justiça.

Também neste ato foi estudado e discutido entre os presentes o panfleto lançado pela ExNEPe sobre os cortes na educação e atraso no pagamento das bolsas. O documento também exige a reabertura das Universidades para servir ao povo e aos estudantes. Os estudantes que estavam presentes foram convidados a participar dos encontros nacionais e estaduais do campo da pedagogia, que estão para ocorrer.

Os estudantes ainda fizeram um ato em frente ao Restaurante Universitário (RU) para exigir a reabertura do mesmo. Eles exibiram uma faixa com os dizeres: Abaixo o corte de verbas, defender a universidade pública e gratuita.

Ao fim da manifestação, foi realizado um evento cultural em que foi ressaltada a cultura popular brasileira.

Em Maringá, os estudantes e professores também se mobilizaram contra os cortes de verbas e bolsas. Na Universidade Estadual de Maringá (UEM) uma manifestação foi realizada em frente à reitoria da instituição.

A estudante Paloma Dias, que está cursando o terceiro ano de Letras, disse em entrevista à rádio CBN, do monopólio de imprensa, que sem a bolsa, vários colegas terão que trancar o curso.

Luiz Fernando Cótica, pró-reitor de pesquisa e pós-graduação da UEM, disse que os cortes de verbas e de bolsas na universidade podem ter impacto na economia de Maringá, já que os alunos terão que trancar o curso e consequentemente ir embora da cidade.

Segundo a UEM, a universidade tem 650 bolsas pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Todas as 489 bolsas de renovação anual podem ser perdidas no ano que vem, e as demais 161 também poderão ser prejudicadas.

Estudantes preparam faixas e cartazes para ato contra os cortes de verbas e bolsas na UEM. Foto: Reprodução

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin