MG: Operários da construção civil deflagram greve!

Operários da construção civil de Belo Horizonte e região entraram em greve no dia 17 de janeiro. Os trabalhadores atuam nas obras da Arena MRV e de um condomínio residencial no bairro Vale do Sereno, em Nova Lima, e exigem reajuste salarial, melhores condições de trabalho e também outros direitos básicos. Eles também denunciam a intransigência do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG) que se recusa a atender as demandas dos trabalhadores.

No dia 17 de janeiro foram realizados piquetes em frente às obras, ocasião em que os operários decidiram pela greve por tempo indeterminado até que suas reivindicações sejam atendidas. Ativistas do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção de Belo Horizonte e Região (Marreta) e da Liga Operária estiveram presentes nos atos levando panfletos, faixas, cartazes e realizando intervenções com falas em apoio aos operários em luta. Uma das faixas trazia os dizeres: Exigimos salários dignos e melhores condições de trabalho!

Operários entram em greve por salários dignos e melhores condições de trabalho. Foto: Luiz/LPS

Também foi feita uma manifestação em frente a sede da construtora Caparaó, em Belo Horizonte. Durante esse ato, ativistas da Liga Operária colocaram uma grande faixa em um dos muros do prédio com os dizeres: Patrão nojento! Cadê nosso aumento? A empresa é especializada em imóveis de luxo e está construindo no bairro Vale do Sereno, em Nova Lima, apartamentos que custam, na planta, mais de R$ 10 milhões. Os operários que trabalham no local também aderiram a greve.

Ativistas da Liga Operária penduram faixa no portão da sede da Construtora Caparaó. Foto: Luiz/LPS

Algumas das principais reivindicações dos operários são: reajuste salarial com o pagamento integral do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) e ganho real para os trabalhadores, selo de controle obrigatório nas cestas básicas como forma de controle e fiscalização de que as empresas da construção estão cumprindo a Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) e fornecendo os itens descritos nesta – os trabalhadores reivindicam que a cesta básica com selo seja entregue em suas moradias –, que os trabalhadores que possuam veículos próprios possam optar pelo vale combustível para seus deslocamentos para o trabalho, manutenção das conquistas já asseguradas pela CCT anterior, dentre outras.

Trabalhadores da construção civil cruzam os braços em Belo Horizonte e região metropolitana. Foto: Luiz/LPS

Trabalhadores da construção civil cruzam os braços em Belo Horizonte e região metropolitana. Foto: Luiz/LPS

Trabalhadores da construção civil cruzam os braços em Belo Horizonte e região metropolitana. Foto: Luiz/LPS

Além das reivindicações, os trabalhadores também denunciam irregularidades que ocorrem em diversas empresas e as péssimas condições de trabalho, sobretudo para os trabalhadores que vêm de outras regiões do estado e do país e se encontram em alojamentos.

Os trabalhadores denunciam ainda o Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG) que ignorou todas as demandas levantadas pelos operários. O sindicato oportunista tentou ainda impor cortes de salários e no banco de horas (modalidade que é rejeitada pelos trabalhadores ao longo de décadas).

De acordo com os trabalhadores a greve seguirá até que o Sinduscon-MG decida sentar na mesa de negociações e atender as reivindicações da categoria.

Trabalhadores da construção civil cruzam os braços em Belo Horizonte e região metropolitana. Foto: Luiz/LPS

Militantes da Liga Operária se juntaram aos protestos. Foto: Luiz/LPS

 

Panfletos foram entregues aos trabalhadores. Foto: Luiz/LPS

Panfleto do Marreta conclama greve. Foto: Luiz/LPS

Trabalhador faz discuso contra a privatização dos Correios. Foto: Luiz/LPS

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin