Índia: Milhares de jovens ateiam fogo em trem durante protesto contra o desemprego e camponeses convocam dia de luta

Manifestantes incendeiam trem em Bihar exigindo trabalho. Foto: ANI

A partir do dia 24 de janeiro milhares de jovens indianos desempregados nos estados de Bihar e Uttar Pradesh se rebelaram contra uma série de injustiças cometidas em um concurso realizado para a ferrovia local e incendiaram vagões de trens, bloquearam estradas e queimaram bonecos do primeiro-mistro fascista Narendra Modi. A polícia espancou, prendeu e perseguiu os cidadãos que protestavam por uma vaga de trabalho.

A rebelião ocorreu após a divulgação dos aprovados, em que nomes de diversas pessoas apareciam repetidos como aprovados para mais de um setor, tirando vagas de dezenas de trabalhadores e enfurecendo os jovens desempregados que esperavam pelas vagas. As ferrovias da índia são algumas das maiores empregadoras do mundo, devido à grande quantidade de pessoas no país.

Mesmo assim, o povo indiano sofre mais do que nunca com o desemprego: no final de 2021, o desemprego no país chegou a 8%, ou seja, 110 milhões e 400 mil pessoas estavam desempregadas na Índia (do total de 1,38 bilhões de pessoas). Em 2019, às vésperas da crise de superprodução que culminaria em 2020, o desemprego na índia estava em seus piores níveis desde os anos 70.

O estado de Bihar, por sua vez, tem as maiores taxas de desemprego no país, e Uttar Pradesh, o estado vizinho, é o mais populoso, fazendo com que as milhões de massas tivessem que competir pelas 150 mil vagas de emprego.

Multidão toma os trilhos dos trens em Bihar. Foto: AFP

Mais de uma dúzia de pessoas foram presas por participarem das manifestações. Em Patna, capital de Bihar, as autoridades registraram queixas da polícia contra cerca de 400 pessoas, as quais eles não conseguiram identificar. 

Em Uttar Pradesh, seis policiais foram suspensos por usar "força excessiva" contra os manifestantes na cidade de Prayagraj, tamanha a brutalidade da repressão. Vídeos gravados pelos cidadãos também mostraram policiais invadindo as casas de “manifestantes suspeitos” e açoitando-os.

Camponeses rechaçam manobras pró-latifúndio do velho Estado em dia nacional de protestos

No mesmo momento em que o protesto contra as empresas de trem explodem nas cidades, no interior da Índia, as massas camponesas da Índia também se mobilizam. O maior sindicato dos camponeses do país convocou protestos nacionais no dia 31 de janeiro após o velho Estado indiano não cumprir com suas promessas na retirada da nova Lei de Terras pró-latifúndio

Após o projeto de lei ser derrotado no curso de um ano de protestos multitudinários de camponeses, o velho Estado burocrático-latifundiário declarou que a lei seria retirada e que um Preço Mínimo de Apoio às vendas dos produtos dos camponeses seria implementado. A vitória das massas camponeses também logrou o compromisso firmado de que seriam retiradas as acusações contra os ativistas camponeses presos durante as manifestações, assim como que as famílias dos ativistas e camponeses assassinados por elementos reacionários ligados ao velho Estado durante os protestos seriam indenizadas.

No entanto, até agora o governo não efetuou nenhuma ação concreta. Ainda não iniciou o processo de retirada das falsas acusações contra os camponeses e também não está cumprindo sua promessa de pagar indenização às famílias dos quase 1.000 agricultores que morreram durante os protestos.

O Comitê Central do Partido Comunista da Índia (Maoista) lançou um apelo a todo o campesinato do país para que o denominado como "Dia da Traição" pelos camponeses fosse um sucesso. Ele convocou todas as classes oprimidas e povos oprimidos a fazer da greve em toda a Índia um sucesso.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin