RJ: Em novo protesto comunidade escolar exige volta às aulas no Colégio Federal Pedro II

No dia 12 de fevereiro, cerca de 500 estudantes, pais, professores e apoiadores tomaram as ruas do bairro de São Cristóvão, na zona norte do Rio de Janeiro, em uma vigorosa manifestação exigindo o retorno imediato às aulas 100% presenciais no Colégio Pedro II (CPII), e em outras instituições de ensino público federal administradas diretamente pelo Ministério da Educação (MEC). Essas mobilizações tem como objetivo barrar os ataques à educação pública que busca implementar a privatização através da política de "sucatear para privatizar".

Por volta das 10 horas da manhã, a comunidade escolar se concentrou em frente ao CPII, na unidade de São Cristóvão (onde está localizada a Reitoria), e iniciaram o protesto com confecção de cartazes e palavras de ordem como Volta CPII! e Queremos aula presenciais!.

Após a concentração, os manifestantes realizaram uma passeata pelo bairro, onde pode-se notar um grande apoio dos transeuntes e motoristas que passavam pelo local. As palavras de ordem “Nas ruas, nas praças, quem disse que sumiu? Aqui está presente o Movimento Estudantil”, “Cadê minha aula, Oscar [reitor]? O estudante quer estudar!”, “Oscar Halac, presta atenção! A sua casa vai virar ocupação!” foram entoadas com vigor. 

Durante o ato, os estudantes rechaçaram ainda o governo militar de Bolsonaro e generais, cujo MEC, órgão do governo federal, é diretamente responsável pelas instituições ainda não retornaram às aulas presenciais.

A manifestação teve fim por volta das 13 horas, quando em frente à reitoria, a comunidade estudantil fixou seus cartazes, pronunciou falas e declarou que seguirão em protesto até que as reivindicações sejam atendidas.

“Nosso ato foi muito vitorioso. Nós não temos 100% ainda, mas vamos lutar para ter, nem que a gente tenha que ocupar esse colégio, o Cefet, a Uerj também!”, afirmou uma das estudantes ao final do ato.

Comunidade escolar ergue cartazes, bandeiras e faixas em concentração do ato em frente ao Colégio Pedro 2, unidade São Cristóvão. Foto: Banco de dados AND

"Já fomos vacinados. Queremos aulas presenciais! Volta CPII!" pôde ser lido em faixa erguida durante o ato em frente ao Colégio Pedro II, unidade São Cristóvão. Foto: Banco de dados AND

Manifestantes realizam passeata pelo bairro de São Cristóvão exigindo volta às aulas 100% presenciais nas instituições federais. Foto: Banco de dados AND

Faixa erguida durante o ato em frente ao Colégio Pedro 2, unidade São Cristóvão, denuncia decisão arbitrária de cerceamento das aulas presenciais. Foto: Banco de dados AND

Comunidade escolar ergue cartazes, bandeiras e faixas em concentração do ato em frente ao Colégio Pedro 2, unidade São Cristóvão. Foto: Banco de dados AND

Porque a comunidade escolar retornou às ruas?

Após a vitoriosa manifestação ocorrida em 07/02, foi definido em reunião do Conselho Superior do Colégio Pedro 2 (Consup) que as aulas retornariam de forma semipresencial, com 50% dos alunos, em alternância semanal. A carga horária diária também seria reduzida com duração de no máximo três horas.

A estudante Ana, em entrevista ao AND, ao ser questionada sobre a motivação do ato, afirmou: 

— A manifestação de hoje é graças à decisão arbitrária do reitor, que aconteceu no dia 07/12, na qual ele proibiu que tivéssemos aula. Depois de muita luta, teve um outro Consup e decidiram que teremos 50% de aula presencial, mas estamos na luta porque queremos 100% presencial. 

A jovem afirmou ainda: 

— O plano contingencial não é cabível no momento porque os funcionários dos campus já estão vacinados, os alunos já estão vacinados e com conscientização, com o uso de máscaras é completamente possível a volta do presencial.

A rede municipal e estadual de ensino público do Rio de Janeiro retornou às aulas no último dia 03/12. Há ao menos dois anos, o ano letivo dos estudantes vêm sendo comprometidos. Os estudantes e responsáveis denunciaram nestas últimas manifestações o fechamento das escolas e a consequente manutenção do Ensino à Distância (EaD). 

MEC, reitoria e conselho são cobrados

Durante o protesto, um cartaz denunciava: “90% dos estudantes e pais e 77% dos professores e servidores exigindo o retorno das aulas, o conselho novamente votou de modo contrário”. Porém, esta não foi a única manifestação de indignação contra as diretrizes traçadas pela direção da instituição.

Patrícia, mãe de uma das estudantes que participou da reunião do conselho ocorrida na última semana, afirmou: 

— Agora eles [estudantes] têm duas horas de aula, metade da turma, enquanto metade não assiste nada, fica fazendo dever de casa. Que proposta é essa? Queremos 100% já, para ontem! Eles tiveram 700 dias para se planejar, eles têm que tomar uma atitude. Ouvir essa comunidade!

Segundo a mãe, a direção do colégio afirmou que ouvirá o MEC. Ela então exigiu: “MEC se pronuncie, manda este reitor voltar!”.

Rodrigo, padrasto de uma das estudantes, disse também que há necessidade de pressionar os conselheiros do Consup a acatar o desejo da maioria da comunidade e afirmou também que é necessário realizar novas eleições para o conselho. Rafael, pai de um dos estudantes, denunciou que os emails dos conselheiros não constam no site do colégio, e garantiu que a comunidade segue se organizando, tendo inclusive por conta própria conseguindo os endereços eletrônicos.

Repressão e seus grupelhos

Um expressivo número de viaturas da Polícia Militar estavam no local antes mesmo da chegada dos estudantes ao protesto. Durante todo evento os policiais filmaram e fotografaram os manifestantes. Dois provocadores tentaram ainda tomar a frente da passeata com uma bandeira do Brasil, porém os estudantes não se deixaram intimidar e retomaram a frente do ato conduzindo qual o percurso deveria ser percorrido pelos manifestantes.

Confira mais imagens:

Comunidade escolar ergue cartazes, bandeiras e faixas em concentração do ato em frente ao Colégio Pedro 2, unidade São Cristóvão. Foto: Banco de dados AND

"Educação é essencial!" afirma faixa erguida durante o ato em frente ao Colégio Pedro 2, unidade São Cristóvão. Foto: Banco de dados AND

Comunidade escolar ergue cartazes, bandeiras e faixas em concentração do ato em frente ao Colégio Pedro 2, unidade São Cristóvão. Foto: Banco de dados AND

Cerca de 500 pessoas participaram da manifestação exigindo retorno imediato das aulas presenciais no Colégio Pedro 2. Foto: Banco de dados AND

"Volta segura já" exigem estudantes durante o ato em frente ao Colégio Pedro 2, unidade São Cristóvão. Foto: Banco de dados AND

Cerca de 500 pessoas participaram da manifestação exigindo retorno imediato das aulas presenciais no Colégio Pedro 2. Foto: Banco de dados AND

Cerca de 500 pessoas participaram da manifestação exigindo retorno imediato das aulas presenciais no Colégio Pedro 2. Foto: Banco de dados AND

Em frente à reitoria, estudantes pronunciam palavras de ordem e afirmam que seguirão protestando até que as reivindicações sejam acatadas. Foto: Banco de dados AND

Faixa assinada pelo MEPR denuncia: "Governo Militar, inimigo da educação!" e afirma: "Rebelar-se é justo!". Foto: Banco de dados AND

Estudantes e pais erguem cartazes exigindo a volta às aulas 100% presenciais. Foto: Banco de dados AND

Estudantes e pais erguem cartazes exigindo a volta às aulas 100% presenciais. Foto: Banco de dados AND

Estudantes e pais erguem cartazes exigindo a volta às aulas 100% presenciais. Foto: Banco de dados AND

Estudantes e pais erguem cartazes exigindo a volta às aulas 100% presenciais. Foto: Banco de dados AND

Estudantes e pais erguem cartazes exigindo a volta às aulas 100% presenciais. Foto: Banco de dados AND

Estudantes e pais erguem cartazes exigindo a volta às aulas 100% presenciais. Foto: Banco de dados AND

Estudantes e pais erguem cartazes exigindo a volta às aulas 100% presenciais. Foto: Banco de dados AND

Estudantes e pais erguem cartazes exigindo a volta às aulas 100% presenciais. Foto: Banco de dados AND

Estudantes e pais erguem cartazes exigindo a volta às aulas 100% presenciais. Foto: Banco de dados AND

Policiais militares filmagem e fotografam o ato dos estudantes. Foto: Banco de dados AND

Provocadores tentam intimidar estudantes, mas são repelidos pelas massas. Foto: Banco de dados AND

Provocadores tentam intimidar estudantes, mas são repelidos pelas massas. Foto: Banco de dados AND

Provocadores tentam intimidar estudantes, mas são repelidos pelas massas. Foto: Banco de dados AND

Provocadores tentam intimidar estudantes, mas são repelidos pelas massas. Foto: Banco de dados AND

Provocadores tentam intimidar estudantes, mas são repelidos pelas massas. Foto: Banco de dados AND

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin