RJ: Manifestação em Niterói exige justiça por trabalhador ambulante assassinado

O Movimento Estudantil Popular Revolucionário (MEPR) esteve presente no ato e entoou palavras de ordem para denunciar o caráter classista do crime. Foto: Banco de Dados AND

Na tarde do dia 15 de fevereiro, cerca de 200 manifestantes se reuniram em frente às barcas na  praça Araribóia em Niterói para exigir justiça pelo trabalhador Hyago Macedo, de 22 anos, covardemente assassinado por um policial à paisana no dia 14/02.  

Os manifestantes levaram faixas e cartazes denunciando o assassinato de Hyago e a rotina de violência e humilhações enfrentadas pelos vendedores ambulantes da cidade de Niterói, os quais são constantemente agredidos por Guardas Municipais e policiais militares, além de terem suas mercadorias roubadas por estes, na maioria das vezes sob ordens da prefeitura.

Com cartazes, familiares denunciam o assassinato covarde. Foto: Banco de Dados AND

No final da tarde, os familiares de Hyago que tinham acabado de voltar do enterro do trabalhador, no cemitério Maruí, no bairro Barreto, se juntaram ao ato. Na manifestação, ambulantes juntamente com demais trabalhadores e estudantes gritaram palavras de ordem exigindo justiça após mais um assassinato de um jovem pobre por policiais do Rio de Janeiro. O Movimento Estudantil Popular Revolucionário (MEPR) esteve presente no ato e denunciou o caráter de classe do crime, através de palavras de ordem combativas.

Em certo momento da manifestação, após os familiares e vendedores de bala se reunirem  próximo à bilheteria, local onde ocorreu o homicídio, para dar entrevistas e tirar foto com os  cartazes e faixas denunciando o assassinato, algumas organizações e partidos eleitoreiros mantinham um ato paralelo ao lado com agitação e carro de som afastados da família do jovem assassinado.

Familiares exibem faixa com  dizeres: Queremos justiça para Hyago!. Foto: Banco de Dados AND

Protesto aconteceu no mesmo lugar em que o trabalhador foi morto no dia anterior. Foto: Banco de Dados AND

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin