África do Sul: Operários em greve há quatro meses resistem!

Operários da Clover realizam um piquete. Foto: New Frame

Cinco mil trabalhadores de laticínios do monopólio Clover na África do Sul resistem já há quatro meses em greve. Os operários estão contra a retirada de seus direitos mais básicos, contra o aumento brutal da exploração e contra diversos abusos cometidos pelos patrões durante o percurso da greve, como intimidações, sequestros e torturas de trabalhadores. A greve começou em novembro do ano passado e dois seguranças de grupos mercenários de repressão aos trabalhadores foram mortos.

A empresa foi adquirida em 2019 pela Israelense Central Bottling Company, que opera nos assentamentos ilegais de Israel na Cisjordânia e nas Colinas de Golã. Atualmente ela tenta, na África do Sul, impor regimes de superexploração: pretende cortar todos os salários em 20%, aumentar a jornada de trabalho de 9 horas para 12, tornar obrigatório o trabalho em feriados, além de estar fechando fábricas e promovendo demissões em massa. Os operários exigem o fim desse regime brutal de exploração, a reintegração dos 2 mil trabalhadores demitidos e o fim da relação com a Central Bottling Company israelense. 

A Clover é a maior empregadora de trabalhadores no setor alimentício da África do Sul.

Resistindo na greve!

Os operários da Clover não recebem seus salários há pelo menos três meses, mas nem por isso abandonaram a greve. “Tivemos que contar com parentes para nos ajudar com comida e dinheiro para nossas contas”, diz William Satekge, um trabalhador em greve. “Não consegui comprar mantimentos para minha família ou pagar meu aluguel e a paciência do meu locador está se esgotando”, diz ele. Voltar ao trabalho significaria “aceitar as condições de escravidão”, afirma o operário.

Já a trabalhadora Marriam Mamabolo trabalhou por 14 anos embalando e estocando os produtos lácteos da empresa na região de Gauteng. A família de Mamabolo depende de sua renda mensal de cerca de R$ 2.800,00 que tem que cobrir alimentação, despesas escolares de seus dois filhos e outros custos. Ela diz que a Clover propôs um corte de 20% em seu salário, o que significa que ela levará para casa pouco mais de R$ 1.900. “Como é que eu vou fazer face às despesas com essa quantia? Os preços dos alimentos e os custos de transporte estão subindo, mas [a empresa] espera que eu me conforme com um corte salarial”, diz Mamabolo.

Mobilização combativa

Desde que a greve começou, os operários realizam piquetes multitudinários do lado de fora das fábricas nas cidades de Clayville e Ekurhuleni, quase todos os dias das 6h às 17h. Esses piquetes têm sido sistematicamente atacados por bandos mercenários contratados pela empresa imperialista. 

Operários intimidados e torturados

Em 18 de janeiro, seguranças privados dispararam balas de borracha e gás lacrimogêneo contra trabalhadores em greve do lado de fora da fábrica Clover em Clayville. 

No dia 7 de fevereiro, dois trabalhadores foram sequestrados e torturados por seguranças à vista da direção e dentro da instalação da fábrica, enquanto os gerentes não tomaram nenhuma medida. Mercenários atacaram o piquete dos trabalhadores e arrastaram dois deles para dentro da fábrica, onde eles foram despidos, espancados e chicoteados com cintos. Funcionários de altos postos da fábrica estavam parados em frente. Três trabalhadores feridos foram hospitalizados e um deles estava em estado grave.

Além disso, carros de trabalhadores já foram atacados com bombas de coquetel molotov como forma de intimidação contra a greve, e mercenários já os intimidaram em suas casas.

Dois seguranças mortos

Foto dos seguranças da PPS. Foto: PPS

Durante a rebelião dos operários contra a empresa e em defesa do justo direito à greve, dois seguranças que atuavam na repressão contra os trabalhadores foram mortos. A empresa imperialista acusa as massas trabalhadoras de terem os matado atirando pedras e os espancando. Os trabalhadores negam ter sido eles os responsáveis. Um dos seguranças foi morto em janeiro e outro em fevereiro.

O segundo segurança, Terrence Tegg, era ex-membro da Brigada de Forças Especiais da África do Sul e trabalhava para a empresa de Segurança PPS. Os operários Cleta Mohale Shokane e Nkosinathi Mbatha foram presos por sua morte.

Foto dos seguranças da PPS. Foto: PPS

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin