Viva o 8 de março - Dia Internacional da Mulher Proletária!

Reproduzimos em nosso portal o texto publicado pelo Movimento Feminino Popular (MFP) por ocasião do dia 8 de março.


Viva o 8 de março

Dia Internacional da Mulher Proletária!

Levantar as mulheres do povo para a Revolução!

Em meio aos tormentosos acontecimentos no mundo e em nosso país, saudamos o 8 de março, dia internacional da mulher proletária!

Neste 8 de Março, uma vez mais, nós mulheres do MFP – Movimento Feminino Popular saudamos efusivamente a nossa gloriosa classe proletária e especialmente as mulheres do povo de todo mundo e repudiamos todo o tratamento ignominioso que esta sociedade podre e decadente reserva às mulheres pobres, particularmente, como assistimos nos últimos dias, a declaração lixo de um representante desta velha ordem sobre as mulheres ucranianas, condenado hipocritamente, pelos seus iguais e pelos monopólios de comunicação que diuturnamente tratam o corpo da mulher como uma mercadoria.

Afirmamos peremptoriamente que este é o dia internacional das mulheres do povo e não de todas as mulheres como todo o feminismo burguês/pequeno-burguês alardeia acompanhado das agências do imperialismo, os monopólios de imprensa e os governos reacionários.

Saudamos o crescimento da explosividade das massas e sua heroica resistência por todo o globo contra a exploração e opressão em meio a uma crise geral do imperialismo que escala níveis sem precedentes, como crise de dominação que se expressa cada dia em mais guerras de rapina como a que vemos na Ucrânia, maiores sofrimentos ao povo, especialmente às mulheres!

Saudamos as mulheres proletárias e as massas populares que combatem de armas nas mãos nas Guerras Populares dirigidas por Partidos Comunistas maoistas no Peru, Índia, Turquia e Filipinas e às novas gerações maoistas que insurgem por toda parte.

Saudamos as heroicas Guerras de Libertação na Palestina, Iraque, Síria e no Afeganistão onde as massas impuseram pesadas derrotas ao imperialismo, com a expulsão das tropas ianques de seu território, são exemplos do heroísmo infindável das massas, ainda que sem uma direção proletária!

Saudamos o novo período de Revoluções que se abre na marcha dessa grande desordem de dominação imperialista, em que o imperialismo será varrido da face da terra pelos povos em luta em meio à Nova Grande Onda da Revolução Proletária Mundial!

Saudamos orgulhosas de nossa condição feminina a todas as mulheres do nosso heroico povo, as operárias, as camponesas, as trabalhadoras do comércio, do transporte e demais serviços, as trabalhadoras funcionárias públicas, as trabalhadoras domésticas e donas de casa, as estudantes, as profissionais liberais, intelectuais e artistas progressistas, saudamos as jovens, as adultas e as anciãs, saudamos todas as crianças de nosso país, afirmando a esperança de um Novo Mundo com a certeza da luta classista e revolucionária.

Neste grandioso dia, queremos glorificar a memória das heroínas de nossa classe e exaltar seu exemplo na figura das grandes dirigentes comunistas, a chinesa Chiang Ching e a peruana Augusta de La Torre (Camarada Nora).

Reverenciamos a memória das combatentes, que na história da luta de classes no Brasil dedicaram suas vidas à revolução. Sobretudo aquelas que encarnaram de forma mais profunda a ideologia do proletariado e lutaram pela destruição do velho Estado burocrático-latifundiário e pela Nova Democracia e pelo Socialismo no Brasil e o Comunismo em todo o mundo, como as intrépidas combatentes da Guerrilha do Araguaia, militantes do Partido Comunista do Brasil.

Saudamos a memória gloriosa da nossa querida companheira Sandra Lima, fundadora do Movimento Feminino Popular, que completaria 67 anos nesse 6 de março. Saudamos seu valoroso exemplo de luta sustentada na firme convicção de que “O Brasil precisa de uma Revolução!”

Saudamos às massas de nosso país que resistem à ofensiva reacionária do governo militar genocida do fascista Bolsonaro, especialmente as massas camponesas, quilombolas e indígenas na sua justa luta pela terra, enfrentando as operações militares da FNS – Força Nacional de Segurança, PM – polícias militares e grupos paramilitares, empresas de segurança privada, comandando e acobertando a ação de pistoleiros (guaxebas), à serviço dos latifundiários velhos oligarcas e do agronegócio em covardes ações de despejos, cercos e perseguições com prisões, torturas e assassinatos.

Saudamos especialmente a LCP – Liga dos Camponeses Pobres que resistiu bravamente em todo o país e em Rondônia enfrentou a maior operação militar de cerco repressivo contra as massas camponesas nos últimos tempos, que através da justa e persistente Resistência, com destacada participação das mulheres camponesas, derrotou o fascista Bolsonaro e o Alto Comando das Forças Armadas, desatando a mais vigorosa campanha de solidariedade, despertando novas forças democráticas em nosso país e no mundo, em apoio ao Acampamento Manoel Ribeiro e às Áreas Camponesas Tiago Campin dos Santos e Ademar Ferreira!

Saudamos às massas trabalhadoras que resistem nas grandes cidades a toda sorte de ataques aos seus direitos pisoteados, que enfrentam de forma desigual a guerra reacionária e o banho de sangue promovido pelas forças repressivas do velho Estado e grupos de extermínio contra o povo pobre e preto nas favelas dos grandes centros. Resistem e acumulam ódio de classe, fermentando nova e explosiva situação revolucionária em nosso país!

Saudamos efusivamente às mulheres de nosso povo que no centro desse torvelinho, enfrentando a violência do velho Estado e toda sorte de agressões e sofrimentos, elevam sua combatividade, sua mobilização, politização e organização com a compreensão de que a superação de toda a opressão feminina só pode ser realizada por meio da revolução proletária, que em nosso país passa necessariamente pela Revolução Democrática, Agrária e anti-imperialista, ininterrupta ao Socialismo.

Despertar a fúria revolucionária da mulher!

Abaixo a guerra de agressão do imperialismo russo contra Ucrânia!

Abaixo o imperialismo ianque! Abaixo a guerra imperialista!
Viva a heroica resistência dos povos em todo o mundo!

Viva a Nova Grande Onda da Revolução Proletária Mundial!

Viva a Revolução Agrária! Morte ao Latifúndio!

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin