Poema: "Rosal" (1975), de Maria Lorena Barros


Série Especial Dia Internacional da Mulher Trabalhadora


 

Maria Lorena Barros (1948 - 1976) foi uma ativista revolucionária Filipina, fundadora do Movimento Livre da Nova Mulher (MAKIBAKA, na sigla original) e combatente do Novo Exército do Povo (NEP), dirigido pelo Partido Comunista das Filipinas.

 

Folhas verdes, flores brancas¹

lua branca

Eu penso em cabelos macios e pretos

enquadrando um rosto ossudo, e a dor

como um carvão ardente

queima os dedos de minha mente.

Porque eu vi demais

do sofrimento de nosso povo

para esquecer um dia daquilo que eu devo amar

e odiar

Como poderia eu dizer que ainda te amo?

Tu virastes as costas

a esta nobre tarefa,

esta única coisa que é pura

e linda em nossas vidas,

a guerra épica pela liberdade.

Então, como poderia eu dizer que ainda te amo?

Todavia é verdade

sua lembrança, como a treva

avessa a partir antes da aurora

ainda permanece comigo -

um fantasma, um demônio monstruoso

que precisa ser exorcizado!

Eu acordo nas manhãs

num sonho de dúvida:

Terei eu a força suficiente

para vencer essa luta?

Daqui a um ano esse arbusto roto

proverá novas flores brancas?

O vento do sudoeste sopra

beijos quentes e gentis

no topo das serras.

O mar é docemente calmo.

O pio do calau²

canta como um trompete

invocando o novo dia.

Eu devo comover-me

com toda essa alegria serena!

A história marcha sempre adiante

Nosso povo terá a paz

e a vitória cicatrizará

cada ferida de combate

com a fragrância das

flores brancas

 

Notas:

¹ Provavelmente refere-se à sampaguita, a “flor nacional” das Filipinas.

² O calau é um tipo de ave que habita as florestas das Filipinas.

 

Maria Lorena Barros em foto tirada antes da fascista Lei Marcial de 1972, após a qual foi para a clandestinidade. Foto: Reprodução

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin