PA: ‘I Mostra de Artes do Povo: Caminhos da Terra’ foi realizada em Belém

Artes retratando a luta pela terra foram expostas em Belém, como parte da I Mostra de Artes do Povo: Caminhos da Terra. Foto: Banco de dados AND.

No dia oito de abril, ocorreu a exposição da ‘I Mostra de Artes do Povo: Caminhos da Terra’, em Belém, no Pará. Artistas de todo o país disponibilizaram suas obras para serem reproduzidas num varal, dispostas na Praça do Operário.

Leia também: I Mostra de Artes ‘Caminhos da Terra’ faz convocatória para apresentação de trabalhos

Segue abaixo a resolução da Mostra, que recebemos em nosso e-mail:

“Artistas de ponta a ponta do Brasil enviaram suas obras literárias, poesias, desenhos, colagem e pinturas resultando na exposição de mais de 30 obras que ocuparam a manhã do dia 08/04 num espaço público na cidade de Belém-PA, na Praça do Operário. A praça constantemente movimentada pelos trabalhadores foi cenário da gloriosa apresentação de obras numa exposição coletiva, em seu conjunto, que refletiu os atuais horizontes das lutas do povo trabalhador do campo, representando famílias de camponeses, comunidades tradicionais, indígenas e quilombolas, em suas justas lutas pela terra, que atraiu a observação constante das massas no espaço.

A arte do povo definitivamente, resgata aquilo de mais fundamental da expressão humana, enquanto comunicação, fundindo-se as massas, recebendo seus anseios imediatos, e retornando às mesmas por justas vias. Nesse sentido, a I Mostra de artes do povo "caminhos da terra" em defesa da luta pela terra, ressoou a justeza dos lutadores do campo, denunciando que o estado do Pará é o estado que mais mata camponês, em memória dos casos de Eldorado dos Carajás e Chacina do Pau D'arco.

Inspirados na Liga dos Camponeses Pobres (LCP), Movimento camponês consequente que entrega terras aos camponeses, a I mostra as artes do povo, expôs as resistências do camponês frente às duras lutas. Comunidades inteiras que continuam a resistir intensos ataques antes e no período da pandemia em 2020 e 2021, dentre eles estão os acampamentos Manoel Ribeiro, Thiago Capim dos Santos e Ademar Ferreira, o camponês preso político Luzivaldo! Além das diversas comunidades dos povos originários e quilombolas em toda região amazônica que apesar das investidas do genocídio continuam a resistir.

Servindo como caixa de ressonância a essas lutas em espaços públicos que devem ser ocupados com cultura popular, em síntese, a mostra expressou todo esse debate em forma de arte. Continuaremos a montar o varal em praças, bairros, feiras e mercados populares e colocamos a necessidade de se fazer essas exposições também em outros estados.

Nós estudantes e artistas saudamos os tantos outros artistas participantes da mostra! Como segue: Al Shab, Alex Mendes, Bellini, Carlos Dala Stella, Castellucci, combarte - Arte Popular, Davi Madorra, Luis Rafael, Nina, Souza, Victor Zagury, Yaci, Victor Jornada, Moreno, Karele-MC, Jean Pierre, Hugo Chaves, Chico.

Obra homenageada: “O velho não poderá destruir para sempre o novo” - Coluna da Infâmia de Jeans Galschiot, monumento em homenagem às vítimas do massacre de Eldorado dos Carajás, São Brás/PA.”

Artes retratando a luta pela terra foram expostas em Belém, como parte da I Mostra de Artes do Povo: Caminhos da Terra. Foto: Banco de dados AND.

Artes retratando a luta pela terra foram expostas em Belém, como parte da I Mostra de Artes do Povo: Caminhos da Terra. Foto: Banco de dados AND.

Artes retratando a luta pela terra foram expostas em Belém, como parte da I Mostra de Artes do Povo: Caminhos da Terra. Foto: Banco de dados AND.

Arte demandando liberdade para o camponês preso político Luzivaldo. Foto: Banco de dados AND.

Coluna da Infâmia, escultura de Jeans Galschiot, homenageada pela Mostra. Foto: Reprodução.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin