PA: Munduruku queimam carros em protesto contra assassinato de parente

A- A A+
Assassinato de Elinaldo Tome Akay Munduruku gera a revolta dos munduruku de Jacareacanga. Foto do Movimento Iperegayu

Com informações do Movimento Iperegayu

 

Os munduruku queimaram quatro veículos e ocuparam a entrada da Unidade Integrada de Polícia de Jacareacanga, município situado no sudoeste do Pará, no dia 13 de fevereiro. A ação foi um protesto contra o assassinato de Elinaldo Tome Akay Munduruku, que foi encontrado morto no dia 6 de fevereiro com marcas de golpes de facão no corpo. Os munduruku cobram a investigação deste crime e a maior segurança para a população de Jacareacanga.

No dia 6 de fevereiro, Elinaldo Tome Akay Munduruku foi encontrado morto com marcas de golpes de facão no corpo. Foto do do Movimento Iperegayu

 Elinaldo Munduruku, morador da aldeia Katon, teria sido assassinado próximo uma unidade da concessionária de energia Celpa quando retornava para casa. No dia 12 de fevereiro, dois jovens foram presos por serem suspeitos de terem cometido este crime.

Quatro veículos estacionados próximos a Unidade Integrada de Polícia de Jacareacanga foram queimados pela fúria munduruku. Foto do Movimento Iperegayu

 Em nota divulgada no dia 14 de fevereiro, o Movimento Iperegayu, uma associação composta por munduruku, afirmou que o protesto foi uma resposta a inoperância da Polícia Militar e do Judiciário em combater os crimes cometidos contra os indígenas e demais moradores de Jacareacanga.

Cerca de 50 munduruku participaram de protesto contra assassinato. Foto do Movimento Iperegayu

“Nós estamos aqui denunciando juntamente com as familiares dos assassinados e agora estamos na cidade de Jacareacanga manifestando contra toda essa violência contra o povo Munduruku e população de Jacareacanga”, frisou o Movimento Iperegayu em outra nota, divulgada no dia do protesto.

 

Os munduruku ocuparam a entrada da Unidade Integrada de Polícia de Jacareacanga. Foto do Movimento Iperegayu

Os indígenas responsabilizam os megaempreendimentos como hidrelétricas e portos, além dos garimpos, como os principais responsáveis pelo o aumento da criminalidade nesse município.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza