Resistência afegã avança para retomar nova capital provincial

A capital da província de Faryab, Maimana, está a um passo de ser retomada pelo Emirado Islâmico do Afeganistão (movimento conhecido como Talibã). As tropas locais pró-invasores abandonam postos militares avançados, enquanto os talibãs avançam. A informação vem das próprias "autoridades" semicoloniais do Estado fantoche afegão.

Naqibullah Fayiq, governador da província de Faryab, disse que “a maioria das áreas da província está sob o controle dos talibãs” e que os talibãs estão às bordas de Maimana.

As derrotas militares dos invasores ianques e seus lacaios na província ficaram patentes quando suas forças foram derrotadas no distrito de Ghormach, na mesma província. Na ocasião, as tropas do velho Estado afegão debandaram e fugiram do distrito, sendo que pelo menos 20 de seus soldados foram aniquilados.

Ações em outras províncias

Os talibãs atuam também em outras províncias. Maimana é uma das sete capitais provinciais que o Ministério da Defesa afegão identificou como “ameaçadas” pela ofensiva da Resistência Nacional, ainda em maio. As outras capitais são Farah City, Faizabad (em Badakhshan), Ghazni City, Tarin Kot (em Uruzgan), Kunduz City e Pul-i-Khumri (em Baghlan).

A capital de Helmand, Lashkar Gah, embora não esteja na lista oficial de capitais às bordas de serem retomadas pela Resistência, também se encontra em dura disputa. Recentemente, os talibãs empreenderam resistência no Distrito 4 da capital; os combatentes controlam essa região há pelo menos dois anos.

Derrota confessa

Os planos de imperialismo ianque para o Afeganistão estão sendo, um a um, derrotados. O monopólio de imprensa ianque The Weeklu Standard publicou um artigo intitulado Perdendo uma guerra, onde analisam o grande fracasso atual no Afeganistão.

“Alguns comandantes militares estadunidenses sustentam que a guerra agora está em ponto morto, porque os talibãs são incapazes de invadir as zonas mais povoadas do país. Vendem isto como progresso. Mas, na verdade, estão vendo a guerra através de lentes cor de rosa. Os insurgentes são capazes de reunir suficientes forças para as ofensivas em todo o país em qualquer momento. Os talibãs disputam ou controlam aproximadamente 60% do território.”, afirma o veículo.

O Afeganistão segue sendo vítima de uma guerra de rapina, invasão e ocupação imperialistas comandadas pelo imperialismo ianque. O objetivo da guerra foi obter completo controle sobre as riquezas e a política do país, sendo obstaculizados pelo Talibã, que estava na cabeça do velho Estado afegão e não servia aos ianques do modo como demandava.

Ter maior controle e dominação sobre o Afeganistão faz parte do objetivo a longo prazo dos ianques, que é dominar países estratégicos no Oriente Médio, que lhe possibilite ter acesso às fronteiras russas e, no momento adequado, atacá-la e destruí-la, como parte da sua disputa interimperialista.

No intuito de desbaratar o regime talibã e aprofundar sua dominação e influência no país e na região, iniciou-se, em 2001 (após o episódio de 11 de setembro), a invasão e a subsequente ocupação.

Retirado da cabeça do velho Estado, o Talibã e outras forças então reacionárias, sobretudo de origem islâmica, passaram a resistir com luta armada contra o invasor, aglutinando em torno de si setores da nação dispostos a expulsar as tropas estrangeiras agressoras.

Apesar da falta de uma direção proletária, garantida por um Partido Comunista, a guerra de resistência tem alcançado vitórias e êxitos no objetivo de expulsar o invasor.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro